Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

terça-feira, 22 de agosto de 2017

PRESENÇA E HARMONIA: FILOSOFIA



Aos meus leitores duas palavras: cometi dois equívocos, durante a gravação do programa que considero significativos e por isso quero corrigi-los.
O primeiro é que a época dos pré socráticos começa no séc VI AC e não no séc IV como afirmei, sendo que no séc IV é o período correspondente a atividade socrática e o trabalho literário de Platão.
O segundo equívoco foi quando afirmei que Platão tinha o nome de Aristóteles, em homenagem ao seu mestre. O que eu deveria ter dito era que o nome de Aristóteles era em homenagem ao seu mestre, Aristóteles, conhecido também pelo seu apelido de Platão, ombros largos, que passou a História. Dito isso, desfrutem do programa. Abraços

domingo, 30 de julho de 2017

A IMPORTÂNCIA DA ILUSÃO


por Mario Sales




Maya (tradição hinduísta) sempre foi definida como um problema a ser resolvido, não como uma condição a ser entendida, contextualizada, capaz de ter um significado e uma razão de ser, dentro da dinâmica da existência. 
Tenho falado várias vezes da importância da ilusão, do papel fundamental de Malkuth (tradição hebraica), de que a visão que aqui é o inferno e que o paraíso está fora daqui é uma visão equivocada. 
Maya é ilusão sim, mas é também laboratório de evolução.
Sem ilusão não há evolução.
É isso.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

FIGURA DIVINA, UM SIMBOLO ALQUIMICO, XIIa PARTE


por Mario Sales

NAS REGIÕES INFERIORES



ESQUEMA XXV


O esquema acima mostra a região da qual estamos saindo e que eu denominei o “tórax” do Grande Símbolo.
Nossas análises nos fizeram inventariar quatro (sempre quatro) sub símbolos dentro desta região que é inclusive delimitada para definir sua especificidade e orientar o interpretador de tempos futuros, o hermeneuta.
No entanto não encerramos totalmente nosso inventário.
Resta ainda descrever e revelar um pequeno trecho composto na maioria de frases que mais lembram rótulos.
Retiremos os sub-símbolos e tudo que possa nos distrair e teremos esta imagem.



ESQUEMA XXVI



O trecho que nos interessa está na parte inferior do “tórax” e consta dos seguintes textos:

ESQUEMA XXVII


PHILOSOPHIA e CHIMIA, a primeira palavra abaixo do pulmão esquerdo, o pulmão dos elementos astrais, e CHIMIA abaixo do pulmão direito, o pulmão das coisas materiais.
A relação é clara: filosofia aqui representa um conhecimento mais elevado e refinado, próprio para o estudo de coisas mais sutis enquanto Chimia, a Química, ficaria restrita ao estudo dos elementos componentes da natureza.

ESQUEMA XXVIII

Da sua combinação teríamos o a ESTRELA FILOSOFICA, o nome do DUPLO TRIÂNGULO que acabamos de estudar.
É quando este equilíbrio é alcançado, ao término da reação alquímica, que se encontra a Pedra Filosofal, ou Mercurius Philosophorum.
Da lixivia desta Pedra que obtemos a AQUA VITAE[1], o composto resultante da lavagem do composto final do trabalho alquímico, o soro da eterna juventude, o soro da transmutação e aperfeiçoamento espiritual, transformando o homem-chumbo no homem-ouro.
Era também a panaceia, o remédio que curaria todas as moléstias e garantiria a vida eterna ao seu possuidor.
Agora estamos falando propriamente de alquimia, aqui onde se transita para o mundo inferior, aonde descemos para a prática na Natureza como a conhece o homem comum.
De nada adiantaria dominar a Arte se o Alquimista não pudesse praticá-la em sua própria existência, em sua própria sociedade e se toda a sua vida, por vezes, era marcada pelo retiro e pelo estudo, esta era apenas a preparação necessária para que pudesse, renovado, servir como guia, como modelo para aqueles que o cercavam.
Havia na busca alquímica não só a procura pela elevação individual, mas um genuíno e altruístico desejo de, melhorando-se, melhorar toda a humanidade.
É aqui, nesta altura do símbolo, que começamos verdadeiramente o processo alquímico, pelo CALCINAR, DISSOLVER/SUBLIMAÇÃO, SEPARAR [FILTRAGEM] (SEPARATIO/NON SEPARATIO), CONJUNÇÃO, FERMENTAÇÃO, e DESTILAÇÃO, para depois COAGULAR e, finalmente, chegar a TINTURA.
Tanto é assim, que este ponto de virada está identificado pela esfera, aonde os gases fundamentais borbulham, junto com o Mercúrio, o Enxofre e o Sal (ou Arsênico).
Queria aqui fazer algumas reflexões. Vejam que os vapores sobem, vêm de baixo para cima. Ascendem, a partir das regiões inferiores, e buscam níveis mais elevados.
O processo alquímico reconhece, neste desenho, que como o Lótus, a bela flor oriental que brota da lama, a evolução do espírito em direção ao Divino, objetivo primeiro do processo alquímico, provém, se origina, nas regiões inferiores, no que existe de mais humano.

ESQUEMA XIX





Símbolos identificando os vapores que provém da Natureza

Só ascende aquele que está embaixo, ou dito de outra fora, é preciso ser imperfeito para buscar a perfeição.
Essa é uma lição de humildade e realismo, um alerta aqueles que julgavam e julgam que o processo alquímico não passava de um conjunto de fantasias religiosas.
A Ascensão psico-espiritual é um processo seríssimo, ainda mais em uma época de ignorância, medo e superstição.
E ainda hoje, precisamos de alquimia em nossas vidas, de transmutação interna, como tão bem intuiu Jung.
Nosso laboratório, hoje, é interno, e mais que nunca, as soluções para os nossos dilemas e a força para superar nossas limitações estão dentro de nós mesmos.




Símbolo alquímico da Água de Pedra ou Pedra Filosofal




[1] Supunha-se que Aqua vitae era um lixiviado a partir do composto sólido resultante da Grande Obra, que era a pedra da transmutação do filósofo. Para este aqua vitae foi atribuído a propriedade de transmutar "homem chumbo" no "homem de ouro filosófico"; reconhecido também como o elixir da eterna juventude.