Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

A PEDRA E O SONHO

Por Mario Sales, FRC,SI, MM



Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, 
discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, 
acabei com as coisas de menino.

Paulo, Coríntios 1, 13-11




Foi sob a égide dessa fala do apóstolo na carta aos Coríntios que me alegrei ontem com a intervenção de um irmão em Loja Maçônica, questionando em uma instrução oficial de minha potencia a origem egípcia da maçonaria.
Primeiro por que não esperava. Abomino estas citações fantasiosas de relacionamentos improváveis com culturas historicamente significativas que tanto contaminam as Lojas Maçônicas, em um mundo, acredito, sem glamour, o qual para se tornar minimamente aceitável dedicou-se, a partir do discurso do Cavaleiro de Ransay, em 1738, a inventar mitos e viver dentro destes mitos para se sentir melhor com suas próprias origens.
O que aconteceu na França, naquele ano, foi que uma Ordem baseada na Pedra, Bruta ou Polida, transformou-se num produtora de fumaça e lenda.
A Maçonaria, como a mulher de Lot, olha para trás e corre o risco de tornar-se uma estátua de sal.
Não falo isto com mágoa, mas com tristeza. Gosto da Ordem Maçônica a qual pertenço nestes 10 ou 11 poucos anos. São pessoas boas, generosas, que acreditam na caridade e na ação social.
Comungo com isso e já me sentiria satisfeito de pertencer a esta tradição de construtores de templos, sem necessidade de me imaginar descendente de assassinos religiosos como os Templários, homens de uma brutalidade sem par, hoje transformados em símbolos da pureza e da defesa da Fé Cristã, talvez por recrudescimento do pensamento fundamentalista que fez com que as igrejas pentecostais e os partidos conservadores recuperassem prestigio.
A busca por valores realmente cristãos foi substituída pelo espetáculo.
Nunca a mediocridade teve tantos recursos tecnológicos a sua disposição para difusão de suas tolices como hoje. Não existe mais critério diante da noticia e da informação e é comum, via rede, passar-se adiante inverdades e fantasias como velocidade monumental.

A Maçonaria, a meu ver, só perdeu com o culto destas lendas. Precisamos voltar ao que éramos, sem vergonha de nossas verdadeiras origens, de simples trabalhadores braçais, especialistas no corte do mármore, na elevação de torres ao céu, no estilo Gótico que nos consagrou.

Somos e devemos ser maçons, pedreiros, homens com os pés fincados no que é sólido e não sonhadores inconsequentes que sabem ficar de pé, à ordem, mas imóveis, sem se mexer, sem verdadeiramente interferir na realidade.
Olho minha loja em cada seção com vontade de falar certas coisas, mas me controlo para não demonstrar tudo o que penso em um ambiente que me parece, às vezes, despreparado para lidar com o mundo real.
E isso me incomoda, pois somos adultos, homens, e na minha cabeça, deveríamos estar agindo, já, como pessoas adultas, lúcidas, como pede Paulo em sua célebre carta.
Por isso me alegrei por outro que não eu fazer esta intervenção. Oxalá isto signifique que para outros como eu a era da fumaça e da lenda já deu o que tinha que dar.