Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

domingo, 18 de maio de 2014

DE VOLTA A CONFRARIA DA LOJA DE SÃO CAETANO DO SUL

por Mario Sales, FRC,SI,CRC



Hoje retorno de dois dias de trabalho apresentando a oficina de revisão do sexto grau rosacruz que faço há 14 anos nos corpos afiliados da região e na Morada do Silêncio. Agora sou recebido pelo frater Claudio, mestre da Loja e pela simpático grupo local. Um dia e meio discutindo fisiologia, sistema nervoso espinhal e simpático, anatomia, neuroanatomia, anatomia das glândulas e fisiologia do pulmão e circulação, nous de polaridade negativa e positiva, respirações, chakras e transmissão da energia universal através dos dedos da mão.
O sexto grau tem grande apelo entre os rosacruzes já que é totalmente dedicado ao estudo de técnicas práticas e, na maior parte do tempo, objetivas e regidas por protocolos bem estabelecidos. Supomos, nós que as estudamos, que sejam a expressão moderna das famosa técnica de cura dos essênios, a Ordem dos Terapeutas, que a Ordem Rosacruz absorveu em sua viagem através de eras e civilizações.


Mas com certeza, não é só isso. Parte integrante da técnica terapêutica rosacruz fundamenta-se no uso de sons vocálicos, com efeitos bem definidos, que se agregam a terapia de contato ensinada neste grau, tanto nesta versão mais nova, como na versão antiga.
Por falar nisso, este era um projeto, que, salvo engano, foi o último esforço de organização de Mestre Reginaldo neste plano, como parte de um trabalho de normatização e diagramação brilhante e sintético ao qual ele se dedicou nos últimos anos, do qual emergiram duas partes, a lista de enfermidades terapêuticas com mais de uma centena de moléstias contempladas, acompanhadas da técnica de respiração, positiva ou negativa e a monografia onde se encontram, e o quadro do protocolo da aplicação da terapia do sexto grau de acordo com as características dos sintomas da moléstia em questão.




É, como tudo que fez em vida, de um brilhantismo e de uma genialidade que faz supor a quem contemple que seja algo bem fácil, mas, para quem estuda como eu este grau, posso assegurar que foi um esforço de organização de um sem número de informações extremamente complexas.
Este era o espírito spenceriano, na tentativa de traduzir a tradição para uma linguagem contemporânea e acessível.
Espero que tenha feito um trabalho digno neste fim de semana, que estimule a quem ouviu pesquisar e aprofundar esses numerosos conhecimentos tão necessários ao cotidiano.
Só o tempo, no entanto, responderá a esta dúvida já que não cabe ao semeador cuidar da semente que ele lança, mas lançá-la, em exercícios de livre semeadura, os seminários, os quais só o Altíssimo pode prever suas reais consequências.
Em suas mãos, como sempre, entrego meu esforço e meu barco.

Que chegue a um bom destino.