Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

NOVAS BODAS ALQUÍMICAS DE CRISTIAN ROSENCREUTZ

Publicamos abaixo em língua portuguesa o mais novo manifesto da Ordem traduzido do espanhol por um frater da Loja Recife. Esperamos que auxilie a divulgação deste documento.


Novo casamento alquímico
Christian Rosenkreutz
1616 – 2016

A Lei Cósmica se cumpre!

Antiquus Mysticusque Ordo Rosae Crucis


O Casamento Alquímico de Christian Rosenkreutz


Como autor deste Manifesto e antes que você conheça o seu conteúdo, gostaria de me apresentar. No passado, fui conhecido pelo nome de Christian Rosenkreutz, mítico fundador da Ordem Rosacruz, Sociedade secreta cuja origem os historiadores do esoterismo situam no início do século XVII, mas cuja tradição é mais antiga e remonta as escolas de mistérios do antigo Egito.

No Manifesto "Fama Fraternitatis", publicado em 1614, é explicado em detalhes por que e como, depois de viajar o mundo em busca dos grandes eruditos da época, finalmente cheguei a fundar a Ordem Rosacruz. Originalmente composta por alguns membros versados em hermetismo, na alquimia e na Cabala, a Ordem se expandiu e se perpetuou até hoje. Sendo o seu fundador, permaneci cuidando do seu destino algumas vezes, a partir do plano espiritual e outras vezes encarnado na terra.

Um segundo Manifesto foi publicado no ano seguinte, em 1615: Foi intitulado "Confessio Fraternitatis". Sem entrar em detalhes, vou dizer que é uma extensão da "Fama" e a complementa dando detalhes sobre as regras e o funcionamento da Fraternidade Rosacruz, exatamente como eu havia estabelecido. No "Confessio Fraternitatis” se encontram igualmente revelações sobre o “Liber Mundi" (O Livro do Mundo), o verdadeiro objetivo da alquimia e da ciência que os Rosacruzes possuem para levar a cabo a regeneração espiritual da humanidade.

Um terceiro Manifesto, publicado em 1616, foi anexado aos dois anteriores. Em um estilo muito diferente, ele relata um sonho que eu tive na época quando fundei a Ordem Rosacruz. Nesse sonho, eu me vi realizando um périplo iniciático de sete dias, após o qual fui convidado a participar das núpcias reais - o casamento de um rei e de uma rainha realizada em um misterioso castelo. Este sonho alegórico, inspirada por referências alquímicas, tem sido objeto de muitas interpretações, algumas eloquentes e inspiradoras, outras, porém, fantasiosas e até mesmo absurdas.

Na minha atual encarnação, nasci em 13 de dezembro de 1982, em Paris, a Cidade da Luz, onde os Rosacruzes se fizeram conhecer em 1623 através de cartazes colocados nas paredes das ruas. Permita-me lembrá-los o que foi dito:

"Nós, os Deputados do Colégio principal da Rosa + Cruz, constituímos residência visível e invisível a esta cidade pela graça do Altíssimo, para o Qual se voltam oração dos justos. Nós mostramos e ensinamos a falar sem livros nem sinais, a falar todas as espécies de línguas dos países em que estamos para tirar os homens, nossos semelhantes, do erro de morte.
Se alguém quiser nos ver somente por curiosidade, jamais se comunicará conosco, mas se a vontade o levar realmente a se inscrever nos registros de nossa Fraternidade, nós, que avaliamos pensamentos, faremos com que ele veja a verdade de nossas promessas; tanto é assim que não estabelecemos o local de nossa Morada nesta cidade, visto que os pensamentos unidos à real vontade do leito serão capazes de nos fazer conhecê-lo e ele a nós”.

Desejando permanecer anônimo, não vou dizer onde eu moro, ou quais são as minhas atividades ou qualquer outra coisa que poderia vos conduzir até a minha pessoa. De acordo com as regras que eu e meus irmãos estabelecemos no passado, eu tenho que permanecer "invisível". Talvez vamos nos encontrar algum dia, mas neste caso serei eu que vos encontrará.  Saiba, porém, que o meu compromisso com a Rosacruz é absoluto e continuará sendo a minha via espiritual até minha reintegração final e definitiva no seio da alma universal.

Acredite ou não: jamais me aventuraria a escrever estas páginas se não houvesse uma necessidade imprescindível de fazê-lo, depois de um sonho que tive na noite de 20 de março 2015, o primeiro dia da primavera, cuja natureza e conteúdo me inspiraram a contar. Julgue por si mesmo: Depois de ir para a cama, mas não antes de meditar sobre o dia que acabava de terminar que aliás, me pareceu construtivo, acabei adormecendo.  Em meu sono profundo, me vi, de repente, dentro de um ovo de cristal de uns três metros de altura e de uns poucos centímetros de espessura; transparente e perfeitamente simétrico era de grande beleza e perfeita regularidade. Eu me encontrava de pé em seu centro, como se estivesse levitando e sentindo-me particularmente bem...
TERRA CERTO.pngPassado meu espanto, observei o ovo cuidadosamente. Vi então na parte superior gravado sobre o vidro e equidistante da totalidade da periferia os símbolos do sal, de mercúrio e do enxofre:
Da maneira como eles foram colocados, pareciam que estavam unidos por um triangulo imaginário.No meio do ovo, reconheci os símbolos da terra, do ar, da água e do fogo. 

Tal como foram colocados na circunferência, eles formavam um quadrado invisível.
Na parte inferior do ovo, a uma equidistância em torno de sua circunferência, pude observar as letras hebraicas aleph, mem e shin.
Elas também pareciam estarem unidas por um triângulo imaginário. Além disso, observei que a parte superior curva do ovo estava decorada pelo símbolo representativo do sol e a parte inferior pelo símbolo da lua.A partir do topo do ovo até a minha esquerda, estava escrito: Ad Rosam per Crucem, e de baixo para cima, a minha direita: Ad Crucem per rosam. O conjunto corresponde a uma fórmula esotérica familiar a todo Rosacruz, sobre a qual guardarei silêncio aqui.



Primeira etapa


Lunae auspiciis ...


De repente, o ovo começou a elevar-se lentamente e verticalmente até parar suavemente. Eu não poderia dizer quanto tempo durou esta ascensão, mas me senti transportado para outra dimensão. Esta sensação se confirmou quando, olhando para o espaço circundante, pude contemplar a Terra. Diante desta visão tão harmoniosa e extraordinária compreendi porque ela se chama o “Planeta Azul” e porque os astronautas ficam maravilhados quando a veem a partir de estações espaciais ou de suas naves, a ponto de deixar de duvidar sobre a existência de Deus. Enquanto estava mergulhado nesta contemplação, uma voz suave proveniente do espaço se dirigiu para mim:

"Observa a grande obra da lua: os seres humanos dos quais você é um deles, se reconciliaram com a natureza e vivem em perfeita harmonia com ela. Finalmente compreenderam que o planeta sobre o qual têm o privilégio de viver é sua mãe, e que os animais, que agora amam e respeitam, são seus irmãos. Melhor ainda, eles sabem que todos os seres que nele habitam são veículos para a Alma universal e que cada um a seu nível e a sua maneira participam da Evolução cósmica."

Procurando descobrir de onde vinha aquela voz, percebi não muito longe olhando para mim, um ser etéreo de matizes prateadas. Intrigado e fascinado por esta visão, refleti sobre o significado que poderia ser dado em relação à imagem idílica que se apresentou à minha visão, quando o ovo no qual me encontrava em levitação, subiu novamente...

... Cosmic successit lex!



Segunda etapa

   Martis auspiciis ...

marte certo.png
Mais uma vez, depois de um período cuja duração não foi possível avaliar, ovo parou. A visão que tive foi tão fascinante como inspiradora, porque tinha uma vista ainda mais ampla da Terra. Enquanto observava isso com alegria, outra figura etérea de um vermelho particularmente luminoso veio até mim. Olhando-me suave e intensamente disse:


"Observa a grande obra de Marte: a economia está crescendo em todo o planeta contribuindo para o bem-estar de todos os cidadãos, para que a sociedade vivencie a paz e a harmonia. Com base em uma moeda única que favorece o intercâmbio entre os países contribuindo para que sejam solidários. Não há mais pobreza e nem miséria, porque todo mundo tem o que é preciso para ser feliz e ter uma boa qualidade de vida no plano material ".

Enquanto observava a Terra e escutava o ser espiritual que me falava, constatei que o cristal do ovo se tornara ligeiramente avermelhado sem, entretanto, afetar as cores que eu via além dele. Também percebi que a sua espessura Inicial diminuiu ligeiramente. Mas isso não me causou nenhum temor. Senti-me muito bem e experimentei uma grande sensação de leveza.


Terceira etapa

Mercurii auspiciis ...

mercurio texto.png


Quando o ovo se imobilizou pela terceira vez, observei a partir desse “plano cósmico” muito além de sua transcendental beleza e suscitou em mim a impressão de um mundo um pouco agitado, porém sereno. Tive a sensação de uma desordem ordenada. Em seguida uma nova silhueta etérea com reflexos alaranjados veio até mim e abriu minha mente:

"Observe o grande trabalho de Mercúrio: os homens e mulheres que povoam Terra atuam como cidadãos do mundo, com tudo que resulta de positivo em suas relações: cooperação, intercâmbio, solidariedade e fraternidade... Há um governo mundial, o qual não substitui os governos nacionais, mas garante sua soberania e promove o intercâmbio entre eles. A globalização, por muito tempo temida e criticada, é agora um vetor de unidade, de compreensão mutua e de progresso social para todos”.

Nesta fase do meu sonho, senti que esta estranha ascensão continuasse e que minha alma seria ainda mais contemplada com visões sublimes, embora desconhecesse até que plano me levaria. Foi, portanto, com curiosidade e confiança que empreendi a próxima etapa sem, entretanto, deixar de olhar a Terra a qual eu não sabia se era real ou não.

... Cosmic successit lex!


Quarta etapa

Jovis auspiciis ...



Antes de retomar sua ascensão o ovo, cujo cristal estava diminuindo de espessura e intensificava sua aparência avermelhada, girou sobre si mesmo, de modo que a parte superior se converteu na inferior e vice-versa. Curiosamente e não sei por que milagre isto não afetou de forma alguma meu corpo, porque permaneci na mesma posição de pé e levitando.

Tive a impressão que esta fase da minha ascensão durou muito mais tempo do que as anteriores, a sensação era como se eu me tivesse tele transportado ao invés de ter sido transportado. Enquanto isso, meu ângulo de visão aumentou novamente e, assim, pude ver a terra numa perspectiva melhor.   As palavras são insuficientes para descrever o que então a minha alma percebeu. Como anteriormente, um ser etéreo se aproximou de mim. O brilho da luz azulada que emanava dele quase se confundiu com o azul do céu que me rodeava por todas as partes. Eis aqui o que ele disse:

"Observe o grande trabalho de Júpiter: todos os países e o mundo em geral são governados com sabedoria, para que as relações Humanas sejam baseadas na confiança e no respeito mútuo. Ficou para trás a época em que a política era partidária e corporativista. Como se pode constatar, ela tornou-se inter-relacionada com a filosofia e não tem outro propósito a não ser atender as necessidades e os desejos mais legítimos de todos os cidadãos, sem distinção”.

... Cosmic successit lex!



Quinta etapa

Veneriis auspiciis ...

venus.png

A sensação de tele transporte anteriormente experimentada continuou até a nova parada. A espessura do ovo continuou afinando dando a impressão de que o vidro estava começando a se cristalizar. Quanto a cor vermelha, ela foi se intensificando sem afetar o que se oferecia a minha visão do exterior mais que exaltado.


De repente, lembrei-me que no quinto dia do "Casamento Alquímico" tive a honra e o privilégio de contemplar Vênus, profundamente adormecida em seu leito. Ao perceber a figura etérea que veio ao meu encontro, compreendi por que tive essa lembrança. Sua irradiação, verde esmeralda, me fez pensar nas auroras boreal e austral que dão aos polos da terra essa luminosidade tão especial. Ela disse olhando para mim:


"Observa a grande Obra de Vênus: A paz reina finalmente neste planeta onde você nasceu há muito tempo. A utilização de armas está proibida, inclusive nos níveis governamentais. A própria ideia de guerra é repugnante aos cidadãos tanto entre governantes como entre os governados. A Fraternidade entre os indivíduos e os povos já não é mais uma utopia; corresponde a um ideal que todo mundo cultiva em si mesmo e manifesta cotidianamente. A humanidade finalmente vive ao ritmo do Amor Universal".


... Cosmic successit lex!

Sexta etapa

Saturni auspiciis ...


Eu gostaria de ter passado mais tempo neste nível de contemplação, mas o ovo retomou a sua ascensão. Emanava dele uma forma de vontade e de intenção que eu pressentia sem, entretanto, entender. A espessura do vidro se reduziu a tal ponto que tive a impressão de ser possível atravessá-lo com o dedo, mas não ousei fazer isto temendo quebrá-lo. Tentava adivinhar o que desta vez alegraria meu coração, minha mente e minha alma.

Quando o ovo parou, senti-me novamente maravilhado diante de tanta beleza e pureza. Quanto mais eu olhava a Terra, mais tinha a sensação de ser uno com ela e com a própria humanidade. Mais uma vez, uma figura etérea veio ao meu encontro. Embora obscura em sua aparência emanava dela uma luminescência que permitiu distingui-la perfeitamente. Então ela me disse:

"Olhe para o grande trabalho de Saturno: a Ciência trabalha em conformidade com o interesse real da humanidade e com absoluto respeito a natureza. O seu único objetivo é contribuir para o bem-estar de todos os seres humanos, melhorar suas condições de vida, e expandir seus conhecimentos, ou melhor, seu saber. Em outras palavras, se tornou profundamente humanista e seu real objetivo é a felicidade de todos. "
... Cosmic successit lex!

Sétima etapa

Solis auspiciis ...

Sabia por experiência que um sonho místico, que sem dúvida alguma era o caso em que eu estava, envolvido se desenvolve geralmente seguindo uma espécie de protocolo hierático baseado no sincronismo, na ciência dos números e na lei da correspondência. A razão mais que a intuição me levava a pensar que esta ascensão celestial que vivenciava com tanta curiosidade e felicidade acabaria no sétimo e último estágio; portanto, quando o ovo retomou sua ascensão fiquei triste ao pensar que deveria descer e voltar a esse mundo que havia deixado para trás. Esta tristeza me acompanhou até aonde eu pensava seria a última parada.

Na verdade, o ovo, no qual ainda me encontrava, se deteve suavemente. O vidro tornou-se tão fino que podíamos distingui-lo apenas por sua coloração que havia se tornado na cor vermelha vivo. Entretanto ainda não conseguia entender como esta coloração, que vi se intensificar gradualmente durante minha ascensão celeste, deixava filtrar sem nenhuma alteração tudo que era proveniente do exterior. A partir desta altura, era impossível distinguir a Terra devido ao brilho intenso da aura ao redor dela.

Então uma silhueta etérea com reflexos dourados, veio até mim e me disse com inefável doçura:

"Observa a grande obra do sol: a religião deu lugar a uma espiritualidade baseada não na crença, mas no conhecimento.

“A maioria dos seres humanos admitem como uma evidência a existência da alma e sabem que, se vivem na Terra, é com o objetivo de tornarem-se melhores mediante sua relação com os outros. Em vez de adorar a Deus Pai, Yahveh, Allah, Brahma ou outro consagraram-se a compreender e a respeitar as leis divinas, ou seja, as leis naturais, universais e espirituais. A humanidade está no caminho certo para a regeneração e a reintegração”.

... Cosmic successit lex!

As palavras "regeneração" e "reintegração" ainda ressoavam em minha mente quando vi, a partir das seis direções do espaço, as seis entidades espirituais que tinham se apresentado em cada uma das as etapas de minha ascensão celeste. Eles formaram um círculo em torno da entidade que acabara de se dirigir a mim, e depois entoaram o som OM nove vezes em uma nota que me era desconhecida. Na nona entoação, diante dos meus olhos maravilhados, as sete entidades se fundiram formando uma estrela branca. A estrela se projetou numa grande velocidade em direção à Terra e se fundiu à luz que emana dela.

Momentos depois vi emergir dessa luz uma forma alada de larga envergadura. À medida que se aproximava, não havia mais dúvida: era uma Fênix esse pássaro mítico tão significativo para os alquimistas. Vendo-a se dirigir para mim lembrei-me por um momento de uma gravura que vira alguns dias antes no livro “Símbolos secretos dos Rosacruzes" impresso pela primeira vez no século XVIII, e que sempre tem servido de base significativa para meditação dos Rosacruzes. Esta gravura mostra duas fênix, uma sustentando o sol em seu bico e a outra, a lua.




   
Além do sétimo céu

Phoenicis auspiciis ...

Enquanto me lembrava dessa antiga gravura, continuava contemplando a ave Fênix. Majestosa, possuía uma plumagem magnífica que tinha exatamente a mesma cor do ovo no qual estava em levitação. Enquanto olhava, percebi que ovo foi completamente desmaterializado, ou melhor, espiritualizado, e que eu havia sido liberado dele.  O resultado foi imediato: caí no vácuo a uma velocidade cada vez mais vertiginosa; obviamente, iria espatifar-me contra o solo e morrer ...

Em questão de segundos, revivi os momentos mais significativos desta vida que chegava ao fim, especialmente os momentos relacionados à senda Rosacruz como também os momentos que vivi na companhia de seres queridos que haviam proporcionado tanta felicidade. Entretanto, não sentia medo ou pena. Eu sabia que a morte não marca o fim definitivo da nossa existência, mas é apenas uma transição da alma para o reino espiritual. Sentia que com certeza ainda haviam tarefas a desempenhar neste mundo, mas estas seriam para mais tarde, quando reencarnasse novamente.

Estava prestes a me chocar com o solo quando senti que fui segurado. Olhando para cima, percebi que fui tomado cuidadosamente pelas garras da Fênix salvando-me a vida desta maneira. Além disso, ela voou para longe levando-me muito acima do sétimo céu. Nesta altura celestial, eu podia ver não somente a Terra, sempre coberta pela radiante luz de sua aura, mas também os outros planetas de nosso sistema solar, desde Mercúrio, o menor, até Júpiter, o de maior volume. Mas a percepção que eu tinha não era de caráter astronômico; sentia a energia oculta que emanava deles e compreendia melhor o significado e o alcance de tudo que havia visto anteriormente.
A Fênix se dirigia agora ao sol, deixando para trás a Terra que se tornou imediatamente apenas um ponto luminoso no espaço. Apesar de nos aproximarmos do sol, podia olhar para o mesmo sem problema; sem ser incomodado pelo calor de seus raios. Sentia antes uma sensação de espiritualização a ponto de perder a consciência de meu corpo e me sentir uma alma em seu estado puro. Nunca havia experimentado tal sentimento de liberdade, de pureza e de serenidade.

Enquanto a Fênix e eu estávamos prestes a se fundir com o sol, me preparava interiormente para vivenciar essa fusão com a maior lucidez e intensidade interior possível. Foi então que ouvi uma música de extraordinária beleza. Diante dela nossas mais belas sinfonias se assemelham a obras de crianças. Certamente, era a "música das esferas" tão caras a Pitágoras, sábio entre os sábios. Lembrei-me desta poesia musical conhecido pelos iniciados:

Ut queant laxis
Resonare fibris
Mira gestorum
Famuli tuorum
Solve polluti
Labii reatum
Sancte Ioannes


NOTA: Hino cantochão a São João Batista, com que os fiéis da Igreja Católica Romana rezam o Ofício Divino, ou Breviário, celebrando a festa da Natividade deste Santo (24 de junho). Um acróstico que relembra as notas musicais, onde o Ut representa o Dó e depois o Re, Mi, Fá, Sol, La, Si, este último formado pelas iniciais de Sancte Ioannes, e que se traduz a grosso modo, “Para que os servos possam, com suas vozes soltas, ressoar as maravilhas dos vossos atos, limpa a culpa do lábio manchado, ó São João”.

Embalado por esta melodia cósmica, deixei-me absorver pelo Sol com confiança, não sem antes olhar pela última vez para os olhos da Fênix e agradecer-lhe, não tanto por ter salvado minha vida, mas sobretudo por tudo que vivi em sua companhia.  Nesse preciso instante experimentei a forte sensação de ser uno com ela ou melhor, de unir minha alma a sua e assim, vivenciar as “Núpcias Alquímicas” que todo rosacruz aspira. Em seguida vivenciei a iluminação: remontei em consciência até as origens da Criação, assisti ao big bang, esta explosão cósmica extraordinária a partir do qual surgiu o universo, que não cessou de expandir-se até os confins do infinito.

Vi também como Deus, essa inteligência, essa consciência, essa Energia absoluta e atemporal, soprou uma alma pura e perfeita no universo em formação e como essa Alma universal veio animar todas as criaturas que o habitam desde os éons do tempo. O que eu pressentia como a evidência foi, então, confirmado: existe uma infinidade de mundos na Criação, sendo o nosso apenas um entre tantos outros. Alguns são mais evoluídos; outros são menos.

Então, como um filme passando rapidamente, vi o desenrolar das etapas que marcaram a formação da Terra, a partir do estado de fogo inicial, até a formação dos continentes que conhecemos hoje. Também testemunhei a ascensão da vida, desde as primeiras criaturas que evoluíram nos mares e oceanos até a própria humanidade, passando pelo célebre reino dos dinossauros. Certamente, os seres humanos não formam um reino separado; eles são a culminação de um processo evolutivo que remonta aos primeiros seres que habitaram o nosso planeta.

Depois foi a história da humanidade em geral, que aflorou na tela da minha consciência, incluídas todas as épocas e todos os países. Por um momento, vi muitos eventos; curiosamente, todos eles foram positivos e construtivos, o que me fez repensar as maravilhosas visões oferecidos para mim anteriormente. Esta viagem no tempo me fez especialmente feliz e permitiu renovar a confiança que tenho colocado desde sempre nos seres humanos, porque sei que sua origem é divina e a que a alma que os anima é essencialmente benevolente.

Pensei que esta viagem estava chegando ao fim, quando me vi, a mim mesmo, em uma época em que me fiz conhecer pela primeira vez como o nome de Christian Rosenkreutz. Revivi com grande emoção o périplo iniciático que me levou a fundar a Ordem Rosacruz e   os momentos que passei reunindo o conhecimento que meus irmãos e eu desejávamos transmitir à posteridade. Entre esses momentos, estava aquele em que nos dedicamos a transcrever o "Liber Mundi", acrescentando nossos próprios comentários.

Estava feliz com a ideia de ver, "desde o exterior", como minha morte aconteceu, ou melhor, a transição da minha alma, e ver o túmulo onde meu corpo descansava, quando a buzina de um veículo que passava na rua me acordou de repente. Ainda estava escuro, mas em vez voltar a dormir, levantei-me para registrar com a maior precisão possível o que tinha sonhado. Feito isso, meditei até o nascer do sol sobre o significado de tudo o que tinha visto, ouvido e sentido através desta estranha jornada além do tempo e espaço, não sem antes agradecer ao Deus do meu coração por haver me inspirado.



Se desejei compartilhar esse sonho, é porque pensei que poderia suscitar em algumas reflexões úteis. Tenho consciência que, neste início de 2016, o mundo está longe das visões idílicas que percebi durante o que me foi referido com o nome de “ascensão celestial”.  Seu contexto, em todos os aspectos é mais preocupante. Além disso, essas visões podem ser consideradas como premonições ou são apenas projeções oníricas do futuro que desejo fervorosamente para toda a humanidade? Cada um encontre a sua resposta ...

Quem nunca sonhou com um mundo, se não perfeito, pelo menos melhor, no qual viver é agradável a todos, não importa o país onde se viva? Se o desejarmos verdadeiramente, este sonho pode converter-se em realidade. Claro, isto supõe agir em conformidade, tanto individual quanto coletivamente. Quatro séculos após a publicação das Bodas Alquímicas de Christian Rosenkreutz, estas Novas Bodas são, também, uma mensagem de esperança e um convite para se imaginar, hoje em dia, o que a Humanidade futura pode e deve chegar a ser. Isto é, precisamente, o que me impulsionou a contar-lhe meu sonho.

Como se sabe, a maioria dos alquimistas de antigamente trabalhava para transmutar os metais inferiores em ouro através da Pedra Filosofal, substancia subliminar que obtinham como resultado de um processo operativo completado através de sete grandes etapas. Porém, alguns deles, incluindo eu mesmo, se dedicavam à alquimia, não material, mas espiritual. O que importava a eles não era a obtenção de ouro, porém a aquisição da sabedoria. Este é, ainda, o objetivo dos Rosacruzes que vivem entre os seres humanos, porque sei o quanto estão dispostos a contribuir para melhorar o mundo.

No manifesto “Positio Fraternitatis Rosae Crucis”, publicado no ano de 2001 pela Antiga e Mística Ordem Rosa Cruz, se pode ler sobre a alquimia:

"Com certeza o leitor sabe que os rosacruzes do passado praticavam a alquimia material, que consistia em transmutar metais inferiores em ouro, principalmente o estanho e o chumbo. O que frequentemente se ignora é que eles também se dedicavam à alquimia espiritual. Nós, rosacruzes dos tempos atuais, damos prioridade a essa forma de alquimia, pois é dela que mais do que nunca o mundo necessita.
Essa alquimia consiste, para todo ser humano, em transmutar cada um de seus defeitos em sua qualidade oposta, a fim de, precisamente, adquirir as virtudes a que já nos referimos. Pensamos, com efeito, que são essas virtudes que fazem a dignidade humana, pois o Ser Humano só é digno do seu status se as expressa através do que pensa, diz e faz. Não há dúvida de que, se todos os indivíduos, sejam quais forem suas crenças religiosas, suas ideias políticas ou outras, fizessem o esforço de adquiri-las, o mundo seria melhor."

Em 2014, a A.M.O.R.C. publicou um segundo manifesto intitulado "Appellatio Fraternitatis Rosae Crucis" complementando o "Positio"; assim como a “Confessio" complementou "Fama”, o "Appellatio" não é estranho ao sonho que relatei nestas páginas. Diria mesmo que este Manifesto contém as chaves e mostra o caminho a seguir para tornar este sonho, esta utopia, em uma realidade. Depois de ter lido e meditado, exorto-vos a fazer o mesmo, para conferir pleno sentido às Novas Núpcias alquímicas de Christian Rosenkreutz. Para este propósito, gostaria de mencionar um breve trecho do "Appellatio”:

"Os antropólogos acreditam que a humanidade moderna apareceu na Terra ao redor de 200.000 anos atrás. Na escala de uma vida humana pode parecer muito antiga, velha, mas em comparação com os ciclos da evolução se acha apenas na adolescência, demonstrando as características desta etapa da vida: está em busca de identidade, de um destino, demonstra irresponsabilidade e inclusive inconsciência, acredita-se imortal, dedica-se a todo tipo de excessos, desafia a razão e desconsidera o senso comum. Essa etapa evolutiva com toda a sua carga de dificuldades, sofrimentos e fracassos, mas também de satisfações, conquistas e esperanças é um passo necessário, que a permitirá crescer, amadurecer, florescer e finalmente realizar-se nos planos material e espiritual. Mas para isso, precisa transformar-se em um adulto."

Com estes pensamentos, vos deixarei com suas ocupações e retomarei as minhas. Como disse antes sigo vigilante os destinos da Ordem Rosacruz.  Pode ser que um dia nos encontremos. De qualquer modo quero expressar meus pensamentos fraternos e enviar os meus melhores votos para a Paz Profunda, com a esperança de um futuro mais harmonioso possível para o mundo inteiro...