Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

domingo, 11 de dezembro de 2016

CRIAÇÃO MENTAL, PÁSSAROS E GAIOLAS


por Mario Sales, FRC,SI

Trabalho apresentado na Casa Dom Luiz, em Brodowsky, dia 10 de dezembro de 2016, em seminário da Loja Ribeirão Preto.

O TERAPEUTA, de Magritte

Todo o universo do conhecimento rosacruz se baseia, apenas, em dois pilares: uma certa palavra e a técnica de criação mental.
É uma afirmação forte, porém fiel à importância destes dois conhecimentos técnicos, que são ao mesmo tempo impressionantes quanto aos seus efeitos quanto fáceis de demonstrar. São possíveis de serem testados quanto a sua eficácia, podem ser verificados, portanto; e apresentam a característica da reprodutibilidade.
Um não iniciado pode e deve usar estes conhecimentos como test-drive esotérico, de forma a saber se vale ou não a pena tornar-se membro desta nobre e antiga Ordem de curiosos e dedicados estudantes.
Por motivos os quais não precisamos discutir, falarei apenas sobre a segunda técnica, a de criação mental.
Da maneira mais resumida possível, a técnica de criação mental é baseada em criar e libertar.
Pensem em um animal frágil, encontrado ao relento, um pássaro, por exemplo.
Imaginem que vocês o recolham, cheios de piedade, e cuidem dele e de seus ferimentos, aquecendo-o, alimentando-o, fortalecendo-o, dando a ele ânimo e vigor.
Eventualmente este animal, antes combalido e à beira da morte, mostrar-se-á cheio de energia e vitalidade.
Agora, neste exato momento em que vocês percebem que ele já tem condições de “voar com suas próprias asas”, conscientes de que nenhum pássaro deve ficar aprisionado, levam-no ainda em uma gaiola, até a borda da floresta, e ali, no seu habitat, abrem a porta para que ele saia e voe em liberdade em busca de sua própria existência.
Esta imagem ecológica e romântica de libertação é a essência do método rosacruz de criação mental.
Cada imagem, cada pensamento, devem ser construídos cuidadosamente da mesma forma como cuidamos e fortalecemos o pássaro do exemplo.
Uma vez que o pensamento, ou melhor, a imagem que o representa estiver nítida e clara, deve ser liberada para o espaço, de forma irreversível, sendo que a melhor maneira de fazê-lo é lançando mão de atividades diferentes, envolvendo-se em assuntos profissionais, dedicando-se a trabalhos manuais, mas de qualquer forma, dirigindo nosso foco de atenção para outro ponto de forma a esquecer completamente da imagem liberada.
É uma profunda e esotérica verdade que os olhos do corpo ou os da mente não são apenas captadores de imagens, mas são também projetores que geram realidades.
Desviando nosso olhar externo ou interno de determinado foco, permitimos que aquilo que antes era objeto de nossa atenção voe livre para longe de nossa influência ou controle.
O bom criador deve ser capaz de libertar seus construtos mentais da mesma forma que o pássaro do exemplo foi libertado, sem acompanhar seu vôo, sem ficar para testemunhar seu afastamento progressivo, de preferência.
Aberta a gaiola e saindo o pássaro, voltamos as costas e seguimos nosso rumo, confiantes que nosso papel neste processo já foi desempenhado e que agora, como sempre, tudo está nas mãos do Altíssimo e de suas leis.
Outro aspecto do dom de criar é que ele é democrático.
Toda pessoa pode e deve usar esta habilidade para criar o tipo de vida que deseja, considerando, óbvio, que a mente move o corpo, e o corpo age no mundo, tanto quanto a mente.
Portanto a criação mental não é um ato apenas intelectual.
É um ato da imaginação e não um ato imaginário.
O pensamento criativo mobiliza forças e energias no mundo da vida, no mundo concreto, e é preciso deixar claro que isto só é possível porque a mente e o corpo não têm uma real separação como supõe a nossa vã filosofia.
Exatamente porque acreditamos nisso, ou seja, porque temos esta crença arraigada de que o invisível e o visível estão separados, mesmo após a psicanálise ter demonstrado no século passado a influência devastadora e inequívoca dos pensamentos nos comportamentos, de novo, do imaterial no material, ainda assim, no início do século XXI, o senso comum acredita que o que acontece na mente fica restrito a mente e o que acontece no corpo fica restrito ao corpo.
Eu costumo brincar com meus pacientes ou interlocutores que menosprezam o papel da mente no corpo e, por extensão, na vida social concreta, através do corpo, que essa separação só seria possível se não existisse o pescoço.
Como o pescoço existe, o que está em cima desce e o que está em baixo sobe.
Esta percepção aparentemente banal, ainda não totalmente assimilada, foi enunciada por um filósofo alemão, Schopenhauer, já no século XIX, o que deu base para o trabalho de Nietzsche e depois de Freud.
Isto tudo para ficar no campo do comportamento.
O Esoterismo vai além, e ensina que a influência da mente e dos pensamentos no real transcende o instrumento corpóreo, agindo diretamente no complexo jogo de forças sociais, de maneira a construir uma realidade que preencha o campo energético gerado pelo desejo do imaginador, ou, para usar uma palavra antiga e elegante em esoterismo, do conjurador.
Visualizar o objeto do desejo é planejar aquilo que se quer, é antecipar com clareza os detalhes essenciais da Obra, de tal maneira que, certas vezes, chegamos à conclusão de que o objeto de nosso desejo não é tão imprescindível como parecia.

A ARTE E A TÉCNICA DE VISUALIZAR

Três coisas são necessárias para executar a Visualização Criativa: a primeira, e mais importante, é que desejemos materializar algo de real necessidade, que não seja apenas um capricho, mas uma demanda que se origina no coração mais do que na cabeça; a segunda é ter uma idéia clara do que é fundamental no que se deseja e não dos detalhes periféricos do objeto; e a terceira e última é visualizar com nitidez e serenidade, a imagem símbolo do desejo, para depois libertá-la no espaço, como o pássaro da história inicial.
Vamos trabalhar cada item separadamente.
1.   O DESEJO DO CORAÇÃO
Porque desejamos algo? Em primeiro lugar, porque supomos que precisamos deste algo que desejamos.
A sabedoria ensina, no entanto, que esta suposição nem sempre se fundamenta na verdade.
A existência depende da satisfação de cinco necessidades básicas: Ar, Água, Alimento, Abrigo e Afeto.
Vejam, a felicidade não é uma necessidade básica.
O estado de felicidade implica uma alegria na existência que decorre da satisfação destas necessidades, mas em si não é uma necessidade. O que não quer dizer que a vida triste seja natural ou que as tristezas sejam mais numerosas que as alegrias.
Uma vez que estes cinco “As” estejam preenchidos, desfrutaremos de bem-estar. O que pode muito bem nos jogar em uma perigosa zona de conforto que nos paralisará e inibirá a evolução.
Portanto, eu colocaria um sexto “A” como necessidade básica juntamente com as outras já descritas.
Juntamente com Ar, Água, Alimento, Abrigo e Afeto, devemos preencher a necessidade do Aperfeiçoamento.
Precisamos, todos, melhorar como pessoas.
É isto que fazemos desde o berço: evoluímos.
E aí começa nosso sofrimento.
O que é melhorar, evoluir, aperfeiçoar-se? É satisfazer as cinco necessidades básicas? Ou é ir além do básico?
Aperfeiçoa-se quem domina as coisas do corpo e da matéria ou aquele que se fortalece no espírito?
Aperfeiçoamento é algo sempre visível ou trata-se de algo interior e profundo, essencial, e nas palavras de Saint Exupéry, por ser essencial, invisível aos olhos?
Nossa vida profissional pode muito bem ser exemplo disso.
Como profissionais, temos que ter um desempenho visível e manifesto de nossa competência, além de um conhecimento intelectual ou uma sensibilidade invisível que são percebidos quando abrimos nossa boca e fazemos uma intervenção qualquer no fluxo dos acontecimentos da sociedade.
É aí que o invisível se revela. E tudo isso, o exterior, visível e o interior, invisível, são partes de nosso aperfeiçoamento, porém o mais profundo sempre será a sustentação do mais externo.
Por mais belo que seja o prédio, sem fundações sólidas, desmoronará. Por isso nossa solidez moral e pessoal depende do inefável e é nele que devemos investir nossos esforços em busca de aperfeiçoamento. Viemos a este mundo para participar da criação do mundo, dia após dia, ação após ação, recolhendo os cacos de Isac Luria e juntando-os numa única peça. E para isso, precisamos de habilidade. Quanto mais hábeis, quanto mais preparados e aperfeiçoados, mais colaboraremos na grande obra, da qual somos construtores e desfrutadores.
Não existe o gênio anônimo. Existem sim aqueles que, com seu talento, criatividade e imaginação modificam o mundo a sua volta, enquanto outros permanecem presos a fantasias de grandeza paralelas ao que chamamos de Mundo da Vida Real.
Portanto, parte do nosso aperfeiçoamento, seja ele intelectual ou profissional, será visível aos olhos daqueles que conosco convivem; uma outra parte, que garantirá e sustentará esta competência visível, permanecerá oculta em nosso ser, na profundidade de nosso espírito, e só poderá ser percebido por nós mesmos ou por pessoas de rara sensibilidade.
É muito bom que recebamos elogios por nosso desempenho visível, mas só nosso guardião interno, nossa Consciência, conhece tanto ou mais do que nós, nossas dúvidas e inseguranças.
É a este guardião que prestamos contas em última análise e é apenas quando temos sua aprovação que nos sentimos realmente satisfeitos com nossa vida pessoal e social.
Repetindo: aquilo que nos faz pessoas satisfeitas e bem-sucedidas está invisível dentro de nós, e mesmo o resultado externo visível de nossa competência só existe por causa deste mundo interior.
Não importa, desta forma, que tenhamos ou não riquezas exteriores e materiais ou mesmo uma reputação, ou fama na sociedade se interiormente não estivermos em harmonia com nossa Consciência, que vela e cuida de nossos dias, zelando por nosso equilíbrio.
O sexto “A”, Aperfeiçoamento, está ligado a este estado de harmonia com a Consciência, que julgará, soberana, se realmente nos aperfeiçoamos ou não, se estamos evoluindo ou não, se nossas conquistas são banais e efêmeras ou se representam sólidos fundamentos para o crescimento de nosso espírito.
Quando desejamos coisas materiais e externas, devemos estar atentos a se aquilo que desejamos nos fortalece interiormente ou se apenas trata-se de um desejo superficial por alguma coisa que não é fundamental a nossa existência. Pode-se desejar o que se quiser desejar, mas não se deve equivocadamente caracterizar um desejo banal como algo essencial.
Por isso dizemos que nosso desejo deve sempre vir de nosso coração, representando uma necessidade básica real, que satisfaça aqueles cinco “As” já citados.

2.   TER UMA IDÉIA CLARA E NÍTIDA
Uma vez que a nossa demanda seja legítima inicia-se o processo de organização da imagem, o tratamento do pássaro ferido da nossa história.
Devemos começar por partes e um protocolo bastante simples é colocar em uma página em branco tudo que vier a nossa cabeça em relação aquilo que desejamos.
Vamos usar um exemplo prático, supondo que queiramos uma casa nova.
Suponha que você more em um apartamento, pagando um aluguel, e você deseja mudar para uma casa própria, aonde sua família consiga ter conforto, Abrigo, livrando-se assim de uma dívida mensal improdutiva.
Como vou visualizar a minha nova casa?
Devo considerar em minha visualização o valor financeiro da transação?
Não, o Universo não trabalha com esses pressupostos.
Para o Universo, dinheiro é um meio e não um fim e raramente é a questão fundamental em um desejo.
O que realmente importa é aquilo que você deseja, ou seja, aquilo que você compraria ou conseguiria com esse dinheiro.
Se você tem ou não os recursos para conseguir o que você quer no momento, isso não tem a mínima importância para o método de Criação Mental, pois os meios surgirão desde que se defina com CLAREZA E NITIDEZ, os fins.
Lembremos de Mateus, 7:7: “Pedi e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei e abrir-se-vos-á.”
Este versículo começa com o imperativo “Pedi”, que implica em transmitir à Mente Cósmica aquilo que desejamos com clareza. E qual é a linguagem de todos os mundos? A Imagem Mental, aquela mesma que depois de ser visualizada interiormente será descrita em palavras, em várias línguas diferentes.
Só que antes de ser transformada em palavras, uma Imagem é uma Imagem, e esta Imagem é a língua do Universo.
O que se vê não precisa ser descrito.
Não preciso pensar nos recursos porque essa é a parte do Universo, não a sua. Sua parte é pedir, com clareza imagística. Veja em sua mente a imagem do que você quer, este é o pedido em linguagem Universal.
E o que devo ver em relação a minha casa?
A cor das paredes, se é no alto de um monte, se é uma determinada rua ou bairro, se tem gerânios nas janelas?
Na verdade, o que é material serve apenas para abrigar o imaterial. Ou seja, o que queremos de uma casa própria é que seja confortável, acolhedora, segura. Que nesta casa todos os membros da família se sintam bem, que exista alegria dentro de suas paredes. Se será grande ou pequena de paredes amarelas ou brancas, com janelas verdes ou azuis, de dois ou de um único andar, deixemos a critério d´Aquele que conhece aquilo que vai no nosso coração antes que nós o conheçamos, e que vive em todas as épocas, em todas as partes, em todos os tempos.
Sua Divina solução para nosso pedido será, com certeza, melhor do que a melhor solução que pudéssemos imaginar.
Portanto, como no tratamento do pássaro, vamos alimentar nosso desejo com ar, água, alimento adequados e dar abrigo e proteção à nossa idéia enquanto ela se fortalece, deixando que a natureza faça a sua parte, e a partir de nossos estímulos garanta a vitalidade da idéia e do desejo.
Em uma casa realmente satisfatória, importam mais suas qualidades operacionais do que sua aparência externa se bem que não se quer dizer com isso que a aparência externa seja algo a se desprezar. A beleza e elegância do Universo demonstram que a Consciência Cósmica, como os rosacruzes costumam chamar o Criador, teve um particular cuidado em criar com arte e proporção aquilo que fez.
Sabendo quais as características que desejamos para o que desejamos, passemos a terceira e última parte deste protocolo, a criação de uma imagem símbolo.
3.   VISUALIZAR COM NITIDEZ E SERENIDADE
Já que pelo que vimos acima, visualizar coisas complexas não é ver coisas, mas qualidades, como podemos trazer essas qualidades para uma imagem?
A resposta é: sentimentos. O desejo deve vir do coração. Da mesma forma à imagem devemos acrescentar sentimentos que a definam enquanto visualizamos.
No exemplo da casa, podemos visualizar uma imagem esfumaçada, com os contornos de uma casa, quatro paredes esfumaçadas, um telhado com dois caimentos esfumaçados, sem definição de tamanho, forma ou cor. Sobre essa imagem, durante a visualização, lançamos nossos votos de que deva ser um local aconchegante, harmonioso, seguro, e aonde nossa família possa se sentir protegida e acolhida.
Não precisamos pedir que seja grande ou pequena, isto o Cósmico definirá.
Não precisamos definir sua localização, isto o Cósmico decidirá.
Não precisamos pedir que o preço seja accessível às nossas posses, isto o Cósmico providenciará.
O que precisamos, é ter claro para nós o que queremos e o que esperamos encontrar com a realização desse desejo.
Uma casa não são apenas suas paredes, mas é também formada da felicidade que possa acontecer debaixo de seu teto, dos encontros, das alegrias, da convivência enfim, harmoniosa, entre os membros da família que ali reside.
Este é o verdadeiro conceito de Abrigo, dos 6 “As” anteriores, não apenas um teto sobre nossas cabeças, mas um lugar que nos proteja de todo o Mal.
Esta é uma imagem para pedidos complexos, que carregam grande número de variáveis na sua concepção.
A regra é que quando seu pedido possuir muitas variáveis concentre-se naquilo que é constante e entregue as variáveis nas mãos do Altíssimo.
Finalmente, quando visualizar, esteja calmo e sereno. Não contraia o rosto ou os músculos nem aperte as mãos como se estivesse realizando um esforço físico. O trabalho é essencialmente mental e nesse caso, quanto maior a serenidade do visualizador, mais clara e nítida será a visualização.
Não, não pense que vai tocar uma música de suspense ao fundo. A verdadeira magia é discreta e não tem como nos filmes, fundo musical.

Darei agora um exemplo prático, real, que ilustram o método em ação, retirado do livro que resume esta técnica, até o momento de maneira insubstituível, “Princípios Rosacruzes para o Lar e para os Negócios”, de Harvey Spencer Lewis.


Aprendendo a usar a Visualização Criativa

Por Spencer Lewis



Permita-me dar um exemplo do método errado e veja o leitor se consegue apreender o argumento, de modo a registrá-lo definitivamente, e durante muito tempo, em sua mente.
Vamos supor que um homem tem uma propriedade que está ansioso por vender. Ele não quer continuar arcando com impostos e seguros e prefere ter o dinheiro, de maneira a poder usá-lo imediatamente para comprar passagens para si e sua família e partir para o Oeste. Lá ele deseja estabelecer seu lar e obter uma nova posição de modo a recomeçar a vida em melhores condições e numa região que, em sua opinião, é melhor. Ele tentou todos os métodos conhecidos para vender a sua propriedade. Procurou corretores de imóveis, publicou anúncios em jornais e fez ofertas pessoais. Após muitos meses, conseguiu um grupo de prováveis compradores, mas depois de todo esse tempo o resultado total de seus esforços consiste em uma provável venda a uma de três pessoas.
Uma delas lhe pagaria imediatamente se pudesse resolver seu caso no tribunal, o que lhe daria dinheiro suficiente para comprar a propriedade, mas o caso está nas mãos de um juiz que demora em lavrar sua sentença. O candidato número dois compraria a propriedade imediatamente, mas o caso é que seu negócio está entregue a um síndico de massa falida e ele está esperando receber o dinheiro resultante de um ajuste de contas entre os credores e outras pessoas.
O candidato número três é um jovem que deseja comprar a propriedade para começar a vida de agricultor, mas seu pai está na Europa e só voltará dentro de alguns meses, e o filho está esperando que o pai lhe mande dinheiro pelo correio ou por telegrama, mas parece que não poderá consegui-lo.
Então, nosso homem que deseja vender a propriedade e ir morar no Oeste acha que deve apelar para a ajuda do Cósmico. Ele passa a se concentrar no Cósmico e a visualizar o que gostaria de tornar manifesto. Adota o sistema típico esboçado pelos modernos cursos de psicologia e, assim, senta-se e projeta para a mente cósmica seus pedidos e exigências, mais ou menos nestes termos: “Agora - diz ao Cósmico - quero vender minha propriedade para que possa mudar-me para o Oeste, comprar uma casa e começar vida nova, e não posso vender minha propriedade a menos que um destes três candidatos tenha dinheiro.   Portanto, por favor, ajude o homem para que o juiz lhe dê uma sentença favorável, ou ao síndico (da massa falida), para que consiga um acordo quanto aos seus negócios (do segundo candidato), ou que o pai que está na Europa mande dinheiro para o filho”.
 Então nosso concentrado amigo começa a visualizar o juiz trabalhando no processo e tomando a decisão de liberar o dinheiro de que o candidato precisa. A seguir visualiza o síndico (da massa falida) trabalhando em seus papéis e tomando uma decisão favorável ao candidato número 2. Em seguida, visualiza o pai na Europa lendo as cartas do filho e decidindo mandar-lhe dinheiro.
Depois de fazer tudo isso e passar meia hora em concentração e visualização, ele está certo de ter deixado bem claro para o Cósmico exatamente o que quer. E espera dia após dia que o Cósmico manifeste sua solução.
Mas não há nenhuma manifestação. Naturalmente quer saber o que está errado.
Agora examinemos o problema deste homem e vejamos se ele estava ou não fazendo a coisa certa. Em primeiro lugar, quando me consultou – e escolhi este caso de uma ocorrência real – incutiu-me claramente o fato de que seu grande desejo era vender sua propriedade a um desses três candidatos, para obter o dinheiro e partir para o Oeste. Este era o pensamento dominante em sua mente em todas as suas concentrações e em todos os seus apelos ao Cósmico. Entretanto, estou certo de que todos concordarão comigo sem delongas quando digo que tudo bem considerado, o que o homem menos queria era vender sua propriedade e obter o dinheiro. Na verdade, a venda da sua propriedade e a obtenção do dinheiro não era a questão vital ou a coisa real que ele mais desejava. O que o homem queria realmente era ir para o Oeste e recomeçar a vida. Eu o convenci disso dizendo-lhe: “-Vamos supor que você não vendesse a casa, mas tivesse recebido uma oferta de uma firma na Califórnia para se mudar para aquele estado e administrar uma de suas grandes fábricas, e esta oferta fosse acompanhada de uma promessa de pagar todas as suas despesas de viagem e ajuda-lo a alugar uma boa casa. Você aceitaria esta oferta? ”
Ao que ele respondeu prontamente: “-É exatamente isto o que eu quero, e de bom grado aceitaria esta oferta”.
Está claro que o verdadeiro desejo dos sonhos deste homem não era vender a propriedade. Do seu ponto de vista limitado, material, terreno, só havia um modo pelo qual ele podia mudar-se para o Oeste e recomeçar a vida, e este era vendendo a sua propriedade e usando o dinheiro para realizar seus planos. Ele jamais pensou, por um momento sequer que o Cósmico poderia ter outras maneiras de efetuar a realização de seus desejos. Em outras palavras: seu desejo era mudar-se para o Oeste; e ele sentara-se e ponderara, elaborara a partir de seu ponto de vista e decidira, arbitrariamente e de modo final, que só havia um modo de controlar seus problemas, que era pela venda de sua propriedade. A seguir, passou, em todo o resto de seu pensamento, planejamento e concentração, a usar esta decisão arbitrária, sua conclusão final, seu raciocínio e ponderação, como sendo a maneira decisiva, a maneira perfeita, a única maneira de realizar seu sonho.
Tendo decidido assim, então passou a dizer ao Cósmico que este devia aceitar a sua decisão, seu plano, sua solução, e resolvê-la para ele. Por certo, trata-se de uma imposição ao Cósmico, e ao mesmo tempo era a pior solução que podia obter para efetuar a realização que esperava.
Em outras palavras, o homem estava apelando ao Cósmico para vender sua propriedade, em vez de apelar para que o Cósmico o ajudasse a mudar para o Oeste e começar nova vida.
Ou de outro modo, podemos dizer que ele estava dizendo ao Cósmico: 
Quero que você me ajude a realizar meus planos; mas ouça, Cósmico, decidi como deve ser feito e como ele pode realizar-se, e como você deve ajudar-me. Vou dizer-lhe exatamente o que quero que você faça, e quero meus planos executados unicamente desta maneira. Não quero que você me mande dinheiro do céu. Não quero que você me faça vir dinheiro de um testamento ou por presente, ou por qualquer outro canal, mas pela venda de minha propriedade. Não quero que me mande passagens por alguma firma que gostaria de me chamar para o Oeste. Não quero que você me dê as passagens por intermédio de alguma instituição bancária que me ajudaria a me mudar para o Oeste. Não quero que você faça que o representante de uma companhia do Oeste me chame e se ofereça para pagar minhas despesas, mas quero que você me dê o dinheiro unicamente pela venda da minha propriedade. Não quero que você faça uma empresa me oferecer um cargo ou uma casa no Oeste. Quero ir para lá com minha família e buscar um emprego, achar um a minha maneira, e levar a cabo a parte final de meu plano por meus próprios esforços. Não quero que você faça qualquer coisa de singular ou original que eu não tenha pensado, mas simplesmente que você siga as minhas instruções, e então saberei que o cósmico é meu sócio”.
Agora, deixo ao bom senso do meu leitor julgar se tal raciocínio e tal apelo ao Cósmico podem ou não dar os resultados desejados. A prova da minha afirmação está no fato de que depois que eu falei com este homem e lhe mostrei as limitações que estava criando em torno da solução de seu problema, e a atitude ditatorial que adotara para com o Cósmico, ele foi para casa e passou a se concentrar de maneira apropriada a conseguir realizar plenamente suas esperanças. Ele se concentrou na seguinte imagem: viu-se e a sua mulher viajando, não especificamente de trem, carro, ou qualquer forma definida, para o Oeste.  Viu-se reunido com um grupo de homens que lhe ofereceram uma boa posição. Viu sua mulher, em sua companhia, entrando numa casa aconchegante, sem tentar visualizar a casa com ou sem varanda, com um ou dois pavimentos, pintada de vermelho ou de verde, com pátios grandes ou pequenos, mas apenas uma casa confortável, e conforme o que ele realmente precisava. Isto era tudo o que ele tinha em mente ao se concentrar, e ao apelar para o Cósmico. Ele estava completamente indiferente a se ele próprio comprava as passagens ou se alguma outra pessoa o fazia; se ele iria nesta ou na semana seguinte; ou para que parte do Estado da Califórnia iria, ou que tipo de cargo lhe era oferecido. Todos estes pequenos detalhes e meios ele deixou inteiramente a critério do Cósmico.
Qual foi o resultado? Um de seus amigos, que por acaso escrevera a um conhecido no Oeste sobre seus desejos, de volta recebeu uma carta dizendo que havia um cargo numa nova fábrica de calçados a ser instalada no Oeste, e como este homem já fora superintendente de uma fábrica de calçados, havia a possibilidade de um cargo para ele. A carta foi mostrada ao homem que estava se concentrando e ele escreveu diretamente para a nova fábrica na Califórnia. Ofereceram-lhe um cargo e mais um adiantamento de seu salário, suficiente para que ele fosse com sua família para o Oeste.
Em doze dias ele estava a caminho do Oeste. Precisamente três semanas após lá chegar, e já estar instalado em sua nova casa e em seu novo cargo, uma companhia de imóveis em Nova York, notificou-o de que uma grande empresa, até então não considerada como cliente para a compra da propriedade fizera uma excelente oferta por ela e que a oferta “caíra do céu”.
Desse modo, nosso homem viu-se confortável e alegremente instalado em sua nova casa e em seu novo cargo, numa nova região do país, e também com uma bela soma em dinheiro que podia deixar de lado, numa caixa econômica, reservado para emergências. Todos os seus sonhos tinham se realizado e mais ainda; entretanto, nenhum dos detalhes da concretização fora semelhante aqueles em que ele se concentrara em suas tentativas originais de exigir do Cósmico sua cooperação.

A Arte da Visualização Mental garante, portanto, que todas as nossas necessidades básicas, se assim desejarmos, serão satisfeitas e que a miséria física e espiritual é consequência de nossas crenças mentais muito mais do que de nossas posses materiais.
Tudo que for básico, que fizer parte dos 6 “As” está garantido pelo universo àquele que, pela iniciação, for levado a conhecer o potencial de realização de sua imaginação.
É claro que para isso, certas condições são necessárias, como serenidade, capacidade intelectual de abstrair, curiosidade sincera e perseverança ao exercitar uma habilidade esquecida pela falta de prática há séculos.
Um músculo imobilizado por anos se atrofia. Para recuperar sua vitalidade, seu “tônus” normal, este músculo deve ser gradualmente acostumado ao movimento e sua habilidade não será retomada imediatamente após ser libertado de sua imobilidade.
É preciso praticar com este músculo para que ele retorne ao seu desempenho normal.
A IMAGINAÇÃO CRIATIVA é, do mesmo modo, uma capacidade presente em todas as pessoas e só não é usada como ferramenta cotidiana por motivos culturais, já que a sociedade olha com desconfiança e medo para a Criação e supõe que a maldição bíblica em Gênesis 3: 19 (“No suor de teu rosto comerás teu pão, até que te tornes terra; porque delas fostes tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás”) é real e intransponível.
Somos vítimas de nossas crenças, de nossas idéias de mundo, que nos impelem nesta ou naquela direção, como marionetes.
Convicções: este é nome daquilo que nos oprime.
Para usarmos bem a Visualização Criativa precisamos fazer um exercício de desapego de convicções e testar o que aqui é proposto mantendo aberta nossa mente aos acontecimentos; depois, se não estivermos satisfeitos, testar novamente e novamente, de forma que uma sucessão de experimentos bem-sucedidos façam que as convicções mudem e novas idéias de mundo assumam o comando de nossa mente.