Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

O RESHIMO (A IMPRESSÃO)[1]

 [1]



"Após haver falado do TzimTzum, analisaremos agora aquilo que permaneceu no lugar donde se afastou a luz do Ein Sof. Por acaso, uma vez que a Luz Infinita se contraiu, ficou em seu lugar simplesmente um espaço vazio e oco?
O tzimtzum permitiu que a luz e o esplendor do Criador fossem percebidos, já que anteriormente, não podiam ser vistos. Essa luz que pode ver-se antes das sephirot e da formação dos mundos é conhecida como Reshimo, palavra derivada do vocábulo hebreu Roshem, que significa Impressão. Ou seja, se refere a impressão que ficou da luz, antes de ser contraída. O Reshimo assinala o lugar aonde existe toda a realidade, porque ele outorga existência a tudo, coisa que não podia proporcionar o ilimitado.
Em uma exegese desses conceitos pode falar-se do livro do Gênesis (28:10) aonde Rashi escreve a respeito: “Nos ensina que a partida de um homem justo de uma cidade deixa uma impressão”. A explicação é que apesar de que o justo abandone a cidade, fica uma impressão dele; em outros termos, a Santidade que irradiou durante o tempo que esteve ali, está ainda presente. Em todo lugar aonde reinou a Santidade, não é possível apaga-la e embora a fonte da mesma haja partido, sua impressão sempre permanece.
Logo depois do tzimtzum, quando o Criador retirou Sua luz ilimitada, ficou em seu lugar uma Santidade, que comparada com a que a precedeu, é como a obscuridade frente a luz, como a sombra do homem ante ele mesmo. No que nos diz respeito, essa luz é a fonte e raiz de toda a realidade, local de todos os mundos.
Isso assinala que antes do tzimtzum a luz do Ein Sof era completa, e que era impossível discriminar entre a Luz e a Luminosidade porque se anulavam ante a Luz do Ein Sof, tal como a luz de uma vela se anula frente a luz do sol.
O Eterno criou, em um primeiro momento, algo como um espaço vazio. Apesar de ter criado a realidade das sefirot sem a necessidade de fazê-lo por etapas, Ele quis criar os mundos de acordo com a natureza dos seres criados, ou seja, passo a passo. Então, antes de emanar as sephirot, criou o Reshimo, que é a raiz da realidade futura.
Agora compreendemos como esta progressão gradual foi estabelecida desde o princípio. O criador quis continuar uma Ordem “concatenada” (em que uma coisa se liga e se desprende da outra) na qual Sua luze o esplendor de Sua Santidade aparecem no mesmo nível.
No Reshimo encontra-se enraizado o futuro da realidade em sua totalidade."




[1] El Zohar, Tópicos de la Cabala, 3ª parte, capítulo 2, página 59 a 61, Ediciones Obelisco, 2006, Projeto Amós, Barcelona, Espanha.