Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

sábado, 26 de maio de 2012

ENCONTROS E CRUZAMENTOS: A INTRODUÇÃO DA YOGA NO BRASIL POR UM MESTRE MARTINISTA


por Mario Sales, FRC.:; S.:I.:; M.:M.:

"A primeira vez que no continente sul-americano ouviu-se falar sobre ioga foi por volta de 1920 na cidade de Buenos Aires, Argentina. Um jovem chamado Jehel, que mais tarde viria ser conhecido por Sri Sevânanda Swâmi, percorreu os pampas argentinos divulgando a ioga. A partir do fim de 1932 a ioga ganhou outros ares com a fundação do GIDEE (Grupo Independente de Estudos Esotéricos) que funcionava como uma universidade espiritual,localizado em Montevidéu, Uruguai. Ali se estudava ioga, martinismo, teosofia, budismo, vedanta…(vindas) do Uruguai, missões de membros de GIDEE percorriam o Brasil e demais países da América Latina, fomentando o estudo espiritual. Swami Sevânanda sempre esteve à frente deste grupo norteando o curso das instruções. A partir de 1937 Sevânanda casou-se com Sadhana e os dois com uma motocasa (ermida rodante) iniciaram o Movimento Alba Lucis, divulgando a ioga no Brasil e demais países do continente sul americano."
A História do Yoga [no Brasil] 

(http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_ioga)                                                                                  

Ainda por conta dos trabalhos de revisão da Doutrina Secreta, mandei para meu colega, o Ir.Flavio Sobral Bazzeggio, alguns esquemas preciosos de um antigo e desbotado livro chamado "A Libertação pelo Yoga", escrito nos idos dos anos 60, aliás no próprio ano de 1960, pela Editora NAP, da Rua do Lavradio, no Rio de Janeiro, por coincidência a mesma rua do Palácio do Grande Oriente do Brasil, a mais antiga potência maçônica do país. Por conta da leitura, Flavio tentou me explicar por intermédio de duas excelentes monografias a natureza dos corpos como descrita pela Teosofia. Em retribuição lhe enviei estes dois esquemas que publico abaixo, que mostram as correlações entre as diversas escolas de pensamento esotéricas, às vêzes atribuindo a algumas valores que não lhe pertencem de forma universal, como é o caso da coluna dedicada a escola rosacruciana, que na verdade, de fato não é homogênea, existindo diversas








organizações que se autointitulam rosacrucianas, como a escola de Max Heindel, a Ordem Cabalistica Rosacruz (OKR+C) e outras, e a minha, lembrada em um comentário a este post, a Antiga e Mística Ordem Rosacruz, AMORC. A própria Ordem Maçônica tem um grau cujo nome, Grau do Cavaleiro Rosacruz, revela, mesmo contra a opinião de alguns autores como Rizzardo del Camino, um intrincado relacionamento entre estas Ordens no passado e o enorme compartilhamento de valores e informações que sempre foi a tônica do movimento esotérico em todo o mundo.
Como o autor de A Libertação pelo Yoga, o professor Caio Mirand, a era um praticante e divulgador do Yoga no país, e o primeiro a publicar uma obra em português sobre o assunto, julguei ter sido ele o introdutor deste conhecimento e prática no país. Pesquisando, vi que não era bem assim.
E para ser justo, o verdadeiro introdutor da Yoga no país morreu praticamente desconhecido e só, depois de ter peregrinado por todo o país e provocado tanto a disseminação do Yoga como conhecimento, quanto a quase união das três potências maçônicas do país, um evento que deveria ter um destaque maior na mídia esotérica, mas que só agora com a Internet é possível de ser facilmente evocado.
Seu nome era Visconde Léo Alvarez Costet de Mascheville , conhecido também como Sri Sevãnanda Swami.





Sevananda em seu trailer com Sadhana
O relato está em um site dedicado a uma outra linha de trabalho espiritual, chamada "Igreja Expectante", fundada por ele e por outro iniciado , Mestre Cedaior, seu pai.
Seria apenas um levantamento histórico se não trouxesse no bojo das informações algumas interessantes informações, que mostram como todos os caminhos levam ao mesmo lugar e dele partem de novo se diferenciando para provavelmente se reencontrar mais adiante em um ponto de convergência. No site 
(http://www.igrejaexpectante.org/not_20090129_jornada.htm#)encontramos o seguinte resumo das atividades deste pioneiro.


Mestre Cedaior


A Jornada de um Homem

Visconde Léo Alvarez Costet de Mascheville – Sri Sevãnanda Swami

(Extraído do Boletim da OSA – ano 1 – nº 01 – NOV-DEZ/1991,
edição dedicada ao Mestre Sevãnanda)

1901 – Março, 22, nasce em Paris, França.
1910 – Fevereiro, 25, desembarca com seus pais, em Buenos Aires, Argentina. Ruptura com o “Velho Mundo”, a Europa.
1916 – Início do trabalho junto com o pai e Mestre Cedaior.
1919 – Co-fundador da “Igreja Expectante”.
1922 – Recebe Iniciação Mística com o nome de “Krimi”, influenciado por Paracelso, Krishnamurti, pela Kabbala de Eliphas Levi e a OKR+C, à qual Cedaior pertencia; Gnosticismo e Martinismo.
1924 – Começo das atividades como iniciador. Inicia atividades de Yoga.
1926 – “Jehel”: Presidente e organizador das Lojas Martinistas; acompanha seu pai na fundação de colônias naturistas na Argentina, que não deram certo.
1928-1931 – Experiências com Magia Cerimonial.
1931 – Com a esposa de Cedaior, Lorelair, e sua esposa Lothusia, dedica-se a “re-espiritualizar” as Lojas Maçônicas, alcançando a “quase” unificação dos 3 Orientes Brasileiros.
1933-1934 – Acompanha Cedaior nas tentativas de fundar Colônias Naturistas, no Brasil. Falece Lothusia.
1935 – União para a Obra, com Luise, até 1948, em Porto Alegre.
1936 – “Jehel”, Presidente da Ordem Martinista.
1939 – Reorganiza, em 23/12, a “Ordem Martinista da América do Sul”, em Porto Alegre.
1941 – Estuda a aplicação do Arqueômetro de Saint Yves. Mudança para Montevidéu, Uruguai, onde funda o GIDEE (Grupo Independente de Estudos Esotéricos), para onde transfere também a Sede da Ordem Martinista da América do Sul. Cria a Revista mensal “La Iniciación”. Laços restabelecidos com Sri Ramana Maharishi.
1943 – Janeiro, 22: desencarna seu pai, Cedaior, em Porto Alegre.
1944 – Início da dissolução do GIDEE, que continua funcionando.
1947 – Por Ordem Superior, dissolve todas as organizações visíveis e fecha o GIDEE, em 25 de outubro.
1948 – “Sevãnanda”, 7 de dezembro, união com Sádhãna, para poder continuar a Obra.
Dezembro, 22: Suddha Dharma Mandalam, surge o Swami, é iniciado pelo próprio Guru Subramanyananda como Iniciador Externo e sucessor do mesmo.
1949 – Fundação, por Ordem Superior, da “Associação Mística Ocidental” (AMO), em Montevidéu, Uruguai. Em 7 de fevereiro, funda o “Subramanyananda Ashram”; laços místicos e físicos com o Mahatma Ghandi. Reunião com os íntimos, em Buenos Aires. Início dos preparativos para a transferência, para o Brasil, onde vendem suas propriedades para adquirir a futura “Ermida do Serviço”, em meio de forte atividade de instalação do trabalho de Yoga.
1952 – Partida da “Cruzada Continental Pró-Paz Espiritual”, do Parque del Plata, em Montevidéu, rumo ao Brasil, com Sri Sevãnanda Swami e Swamini Sádhãna. Edita o livro “Yo que caminé por el mundo...”.
1953 – Fundação do “Monastério Essênio e Ashram de Sarva Yoga”, em Resende-RJ, nas noites de 19 e 20 de novembro.
1954 – Agosto, 2, anuncia a criação da “Ordem dos Sarva Swamis”, com base na sua doutrina de Sarva Yoga, no Rio de Janeiro.
1956 – Viagem de peregrinação a Lyon, França, onde viveu o MEM PHILIPPE. Cria a “Fundação Alba Lucis”, múltiplas atividades sociais, divulgatórias e Iniciáticas; membro da “República dos Cidadãos do Mundo”.
1960 – Início da desintegração do Ashram de Resende-RJ.
1961 – Junho, fim do ciclo septuagésimo do Monastério e Ashram de Resende, venda das terras. Partida para Lages-SC, onde viveu no “Retiro Alba Lucis”, escrevendo sua Obra em quatro volumes, “O Mestre Philippe, de Lyon”, após o que se transfere para Belo Horizonte-MG, onde assume sua vida particular, retirado de qualquer atividade divulgatória, tendo transferido a responsabilidade dos diversos setores da sua Obra aos seus Discípulos.
1969 – Retira-se para o “Sítio dos Peregrinos”, município de Betim-MG, onde passa o restante de seu tempo sob os cuidados da sua fiel Discípula e enfermeira, Sévaki.
1970 – Novembro, 6: Retorna ao Pai, após meses de sofrimento, conseqüência da absorção dos erros e defeitos dos seus Discípulos, para que eles possam levar a sua Obra à frente. No dia seguinte, seu corpo é entregue à Mãe Terra sob a bênção repentina do Sol poente, que abriu fulgurante brecha entre as nuvens cinzentas. Presentes: 22 pessoas.
Mestre: Que as Rosas floresçam na tua Cruz.

Esse relato simples, embora possa parecer objetivo do ponto de vista histórico, salta aos olhos pelo dado de que as influências das ordens esotéricas e dos mestres se expandem a ponto de dar o embasamento para o desenvolvimento de uma das práticas mais genuinamente hindus em todo o mundo.
É como se a Yoga, independente de onde tenha surgido, seja uma técnica consagrada na busca pela iluminação e perfeição da saúde física e espiritual a ponto de ser oferecida como condição sine-qua-non para a complementação da iniciação de qualquer místico, tanto quanto pelas práticas físicas como pelas mentais.
Eu que achava estranho o meu percurso que começou pelo livro de Caio Miranda, passando pela minha saudosa Academia de Yoga em 1977, passando pela Rosacruz e desaguando na Ordem Martinista e Maçônica, vejo agora que se trata de uma trajetória absolutamente banal e coerente com todos os que buscam este conhecimento, ou por outra, são buscados por ele e arrastados em sua onda. Já disse antes e repito, ninguém escolhe ser um esoterista ou um místico, mas antes são escolhidos pelo misticismo, chamados a comparecer com seu esforço para contribuir para este peculiar universo de conhecimento.
Veja que Sevananda era Martinista, dedicava-se a assuntos ligados a Magia Cerimonial, e estudava o Arqueometro de Alexandre Saint-Yves d'Alveydre. A divulgação do Yoga foi praticamente um efeito colateral, mas não inconsciente ou acidental de seu trabalho místico e esotérico.




O Arqueômetro 


Foi do trabalho de Sevananda que beberam Caio Miranda, George Kriti-kós, Vayuãnanda (Ovidio Juan Carlos Trotta). Todos professores e autores de obras de Yoga no Brasil, ao lado de José Hermógenes, com uma atividade a parte, a partir da fundação de sua academia em 1962 aonde está até hoje.



Georg Kriti-kos, Sarvananda(1922-1999) 


Em 1964 De Rose funda o Instituto Brasileiro de Yoga, e o que vem depois é sabido.
Estranho que tantas ligações me tenham passado despercebido até agora, mas a obra é infinita e a vida, curta.


General Caio Miranda(1909-1969)




Vayuananda