Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

domingo, 16 de março de 2014

DISCRIÇÃO E PRÁTICA MÍSTICA


por Mario Sales, FRC,SI,CRC



"Vocês não devem esperar que ocorram o dia todo ou a noite toda demonstrações fantásticas e incomuns. Não é necessariamente desenvolvida ou espiritualmente harmonizada a pessoa que tem fantásticas experiências imaginárias, que tem sonhos simbólicos ou que sente que está sempre recebendo impressões cósmicas. Aliás, tais pessoas muitas vezes não tem nenhum desenvolvimento psíquico, sendo simplesmente vítimas de sua própria imaginação exacerbada, de suas crenças, superstições e coisas (assim). As experiências cósmicas autênticas são poucas. O desenvolvimento psíquico pertence ao Eu Interior, dizendo respeito à alma e ao progresso espiritual do ser. Enquanto estamos ocupados com os afazeres materiais da vida, esse desenvolvimento psíquico não tem razão nem chance de se manifestar."
MN 123,11°GT, pág 2


É difícil, certas vezes, convencer alguns fratres e sorores de que o histrionismo espiritualista não é condizente com a prática rosacruz, nem privada, muito menos pública.
Todos nós, que frequentamos organismos afiliados conhecemos uma ou outra personalidade que se destaca por um comportamento, para usar um termo mais leve, inusitado, fazendo constantes referências a manifestações místicas e ocultas, relatos dos quais não tem nenhum elemento de comprovação, geralmente acompanhados de máscaras faciais e olhares às vêzes cômicos, às vêzes assustadores.
Qualquer pessoa ou místico de bom senso sabe que a vida a ser vivida é esta, e não outra, e que um sinal de seu equilíbrio e serenidade é sua falta de ansiedade em relação a outros planos, a outras manifestações, por mais curioso que se sinta em relação a estas coisas.
Precisamos cuidar de nossas obrigações pessoais, financeiras e familiares, e isto toma parte considerável de nosso tempo. É neste trabalho diário que expressamos nossas habilidades físicas e mentais, e , ao contrário do que diz o trecho em epígrafe, até manifestamos, sim, algumas das nossas habilidades intuitivas e proféticas como estudantes rosacruzes. 
Em consultório, atendendo pacientes, sempre fui capaz com certa facilidade de estabelecer vínculos mentais e empáticos, a ponto de conseguir um relacionamento de confiança e conforto com meus clientes, muitas vêzes sendo este fato mais importante do que meus procedimentos técnicos.
Todos que procuram uma orientação técnica, querem, além disso, via de regra, serem tratados com cortesia e compreensão. Um ambiente psicológico afável, acolhedor e simpático cria condições excelentes para desfazer desconfianças e permitir um melhor relacionamento entre cliente e provedor de serviço. Rosacruzes, pela natureza de seu estudo, têm uma vantagem neste campo, já que sabem como criar em torno de si um ambiente de harmonia, tolerância e simpatia, voluntariamente, independente do interlocutor.
Este é um ato essencialmente místico esotérico, que demanda sim um conhecimento diferenciado e específico, típico do aprendizado dos rosacruzes.
Só desta forma, sutil, velada, imperceptível aos olhos não iniciados, é que atuação de um esoterista de desenrola, discretamente.
Não se observa em seus gestos nenhum traço teatral, nenhuma mudança de máscara facial estranha ou olhares especiais. Sua influência se dá por uma voz calma, segura, e pelo tom de sua voz ao sugerir posturas positivas e saudáveis aos seus interlocutores, de tal forma que quem escute suponha que esta mudança veio de dentro dele mesmo.
Quanto mais poderoso é o místico, mais discreto ele é em seus movimentos e em suas intervenções.
Por isso devemos desconfiar sempre de relatos exaltados e cheios de teatralidade acerca de ocorrências que, em condições normais de temperatura e pressão, deveria ficar guardadas a sete chaves, na memória e na alma de cada um.

A carência afetiva e insegurança social são as únicas causas para comportamentos pouco discretos, e nada disso tem a ver com a prática mística autêntica.