Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

terça-feira, 18 de agosto de 2015

ESPERA


Mario Sales


Quai de Tournelle com Notre Dame ao fundo

Mergulhado no “Silencio de Deus” e aguardando seus desígnios, ouço Erick Satie e permito que suas notas fortes e minimalistas façam em mim uma acupuntura sonora em meus ouvidos, mobilizando minhas energias, meu Ki, meu Nous, meu Orgon.
Minha existência depende agora das doses de Satie em minha alma, 3 x ao dia, com ou sem um pedaço de chocolate dietético. A música de um rosacruz feita para outros Rosacruzes, plena de intensidade e vigor chopiniano.
Quando ouço as Gnossiennes, que estranho, é o rosto de Gurdieff que me vem à mente, não o de Satie ou mesmo de Debussy, nosso irmão de fraternidade na comunidade de Paris do fim do XIX, início do XX.


Ponte de Archeveche, hoje

Nessa época também, Papus caminha, elegante, pelos boulevard, senta e toma um copo de vinho enquanto espera a hora de se encontrar com o Marquês de Guaita.
Paris é a capital do esoterismo, como da arte.
Consigo me transportar para a mente deste médico peculiar enquanto contempla os transeuntes em suas vestes exuberantes, passeando às margens do Sena, em uma tarde de outono onde as folhas que caem já são um espetáculo à parte.
São os sons dos cavalos que passam puxando carruagens, em um transito que nada fica a dever ao de agora, na margem esquerda, andando a esmo pela Quai de Tournelle, Rue de Poissy, a Pontoise e a Bernadins, até achar a ponte de La Archeveche, olhando as barracas de livros do muro do rio, folheando alguns, algo indiferente, na expectativa de grandes descobertas de antigos textos menosprezados por outros menos cônscios da importância de livros preciosos pelos quais ninguém, a não ser alguns poucos, se interessam.


Uma caminhada pela pequena ponte, com sua elegante bengala, até a área de Notre Dame.
Mais um café. E a música de Chopin agora a fazer o fundo, os Noturnos.
Paris e Suzano se fundem.
E aí eu penso: como a imaginação é preciosa; ó meu Deus, como é preciosa.