Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

sábado, 30 de abril de 2016

A INTELIGENCIA "DO MAL" E “O BEM” DA VIOLÊNCIA

Por Mario Sales FRC, SI, MM

Dr Silvana

A razão pela qual demonstrei, no ensaio anterior, que é de fundo romântico a noção de que a violência e as chacinas dos cruzados eram, de alguma forma, nobres ou dignas, visava corrigir teoricamente uma grave distorção de valores na sociedade.
E esta é aquela que atribui na mitologia clássica (crenças e lendas dos gregos, romanos e hindus) e na mitologia moderna (histórias em quadrinhos com seus super-heróis) valor e importância e respeito aos violentos e hostilidade ou temor aos cultos.
Dou um exemplo, ou melhor, dois: um clássico e outro moderno.
Quem é o típico herói bíblico? Sansão. Qual sua qualidade mais importante? Força física. E qual o herói grego padrão? Aquiles, ou Hércules, ambos capazes de matar seus inimigos com habilidade e competência e caracterizados por importante força e resistência física.
Qual a importância na Bíblia, de um homem culto e sensível como José de Arimatéia, o qual segundo o próprio Cristo, não estava distante do Reino dos Céus? Secundária.
Aonde, pergunto eu, entre os gregos, construiu-se a idéia de que, o criador dos primeiros raios de defesa, os espelhos ustórios, poderosas lentes que refletiam os raios do sol contra os barcos de Alexandre o Grande, no cerco a Siracusa?
Em nenhum lugar.

E nas histórias em quadrinhos? Recorramos a um herói da minha infância cujos gibis já desapareceram das bancas, o Capitão Marvel. Lembremos: o Capitão Marvel era um super-herói, dotado de super força física. Ele é o alter ego de Billy Batson, ao que me lembro, um rapaz bondoso, mas portador de uma deficiência física que o faz usar muletas para caminhar. Ao pronunciar uma palavra mágica (shazam) ele se transforma neste super-herói. Até aí, nada de demais.
Capitão Marvel

O preconceito se manifesta no vilão deste super-herói. Trata-se de um cientista, Dr. Silvana, com o indefectível guarda pó branco dos homens de ciência.
O mesmo padrão se repete na mitologia do Super Homem americano, Kar-El. Seu inimigo mais importante é nada mais, nada menos que um homem dotado de grande inteligência, Lex Luthor.
Concluindo: seres inteligentes, cultos, diferenciados intelectualmente são seres do Mal, enquanto os rudes e fisicamente bem-dotados são seres do Bem.
O inconsciente humano olha a cultura e o conhecimento com repúdio e receio e a força física com admiração e respeito, numa clara evocação de padrões de qualidade ligados aos primórdios da humanidade, quando eram os mais fortes que mantinham a malta ou conseguiam mais comida para o grupo de caçadores ou, mais tarde, dos coletores.
Era destes parâmetros atávicos que eu falava ao analisar como valores românticos ganharam força na avaliação dos séculos XVII e XVIII quanto a glamourização da guerra e dos embates sangrentos entre as forças da igreja e dos muçulmanos nas cruzadas.
Tal perspectiva precisa ser superada. Só o tempo e a educação, entretanto, fará com que isto aconteça.