Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

terça-feira, 7 de março de 2017

ESTÁTUAS DE SAL


Por Mario Sales FRC,SI





Estamos começando outra leitura teosófica, “ISIS SEM VÉU”. Como sempre conto com a supervisão e paciência de Flavio e a companhia de Hackmey.
E quando falo em “paciência de Flavio” é porque minha verve analítica, às vezes, deve ser extremamente desconfortável a terceiros e só os amigos com almas elevadas para tolerar minhas interrupções constantes para criticar a pobre Blavatsky.
Minha justificativa com vestes de desculpa é a minha formação e meu signo. Sou virginiano na astrologia solar e portanto, um critico inveterado; e minha segunda formação é a filosófica, aonde a crítica (no sentido de analise) é parte constante do cotidiano.
Blavatsky, para contextualizar a situação, é objeto de admiração de Flavio. Eu havia lido a Doutrina Secreta quando adolescente e quando quis relê-la e consolidar os conceitos básicos da Teosofia, a maioria dos quais já não lembrava o significado, só o consegui graças a Flavio e sua paciência.
Chama a atenção no texto, como já disse várias vezes aqui, no entanto, a dificuldade de interpretação, a constante mudança de ritmo do texto, e para nosso sofrimento, a adulteração que inocentemente estudamos na versão da Ed. Pensamento, sem saber que se tratava de um apêndice espúrio, introduzido postumamente por Anie Besant e Charles Leadbeater, para mim um mero charlatão, versão essa denunciada como falsa e em desacordo com a sede da Sociedade Teosófica em Adyar.
Agora, depois de degustarmos a tradução autorizada do site www.FilosofiaEsoterica.com.br, site que eu recomendo a qualquer interessado no estudo de princípios teosóficos, de Carlos Cardoso Aveline, (jornalista e teósofo brasileiro que vive em Portugal, empenhado e profícuo), interrompemos nossa leitura, a segunda, por que a tradução cessou na página 220.
Uma vez que já burilamos os conceitos básicos, os sete níveis do corpo, os sete planos de manifestação dos planetas, os Dhyan Choan, as raças e sub-raças, etc., resolvemos começar uma nova leitura, segundo Flavio mais fácil que a anterior.
E lá, na primeira página, já vemos referências a valores que eu parei para analisar.



Confesso: de certa forma é divertido ver o desconforto de meu querido amigo quando eu começo uma saraivada de críticas a visão conservadora de Helena Petrovna sobre tudo, mulher que acima de tudo ele respeita e admira; mas não faço estes comentários para colocá-lo em situação de desconforto. Apenas elaboro reflexões sem o compromisso de um afeto como o que ele nutre por Blavatsky, afeto este que, às vezes, pode nos tornar condescendentes com os defeitos do ser amado.
Por outro lado, minhas posições fazem parte da minha maneira peculiar de estudar estes textos e não tem nenhum peso ou importância maior que isso, visto que obras como a de Blavatsky tem um lugar definido na historia do Esoterismo moderno e contemporâneo.
Tais obras, pelo peso do seu legado e por sua influência, estão expostas a interpretação e critica de seus leitores desde sua publicação em 1888, e isto só serve para consolidar sua importância.
Um arcabouço teórico deve ser exposto ao crivo de várias mentes e ao longo dos anos, demonstrará sua consistência e solidez se resistir a críticas de toda espécie. Este é o método científico em funcionamento, como o definia um dos príncipes da epistemologia, Sir Karl Poper.

Independente disso, concordemos ou não com suas afirmações, devemos admitir que HPB deixou uma marca indelével na literatura deste campo de saber, e minhas críticas não tem nenhuma capacidade, por menor que seja, de abalar um milímetro da importância de seu trabalho.
Minhas análises, como eu disse, visam apenas melhorar a compreensão do que está sendo lido, do contexto histórico em que foi redigido o texto e mesmo as peculiaridades daquela que o escreveu.
É o caso do trecho que encontramos na página 102 da edição da Ed.Pensamento onde se lê:
“Essa crença na preexistência de uma raça muito mais espiritual do que aquela a que pertencemos atualmente pode ser reconstituída desde as mais antigas tradições de todos os povos. No antigo manuscrito qíxua[1], publicado por Brasseur de Bourbourg - o Popol Vuh[2] -, os primeiros homens figuravam como uma raça dotada de razão e de fala, que possuía uma visão ilimitada e que conhecia de imediato todas as coisas. ”...
E mais a frente continua:
“Platão descreve admiravelmente no Fedro o estado anterior do homem, e aquele ao qual ele há de retornar: antes e depois da “perda das asas”; quando “ele vivia entre os deuses”, e ele mesmo era um deus no mundo aéreo”.
E qual é a minha crítica? Olhar como a mulher de Ló[3] para o passado vai nos transformar em estátuas de sal.
Há anos ouço, aí sim com desconforto, a narrativa de que “no passado éramos melhores e mais puros”. Que houve uma “queda” espiritual e que o homem presente é de natureza espiritual inferior ao homem deste remoto passado.
Tudo isso me incomoda como o choro de carpideiras gregas. E não faz sentido, de acordo com meus parâmetros filosóficos.
Pois como místico, sei que a evolução caminha sempre para a frente. Sei que a evolução não dá saltos. E que gradualmente uma raça humana melhor e mais elaborada está sendo construída em meio a um universo de contrastes, dual em essência e trino em manifestação.
Portanto o passado não pode ter sido melhor que o presente, tanto que o passado passou, extinguiu-se na poeira do tempo.
E no calor do debate que se instalou alguém lembrou Atlântida como referência deste avanço alcançado no passado, ao contrário de nossas limitações técnicas atuais.
Contra argumentei que falar de Atlântida em seus dias finais ou de maior glória e compará-la com nosso momento histórico é uma falácia, já que o desenvolvimento de uma sociedade, como o de uma espécie biológica senciente é gradual, ou por outra, nem um ser humano nasce pronto, nem uma sociedade emerge já em êxtase tecnológico e filosófico.
Sabe-se quase nada de Atlântida mas fora o romantismo inerente às interpretações correntes, é coerente supor que antes de ser um modelo de civilização Atlântida conheceu todas as fases de desenvolvimento de uma sociedade, ou dito de outra forma, antes de serem semi deuses os Atlantianos devem ter sido tão bárbaros como nós mesmos já fomos. Não é possível pois comparar duas sociedades diferentes em fases de evolução também diferentes, isto sem considerar que a forma de evoluir de uma sociedade não segue os mesmos protocolos antropológicos, nem os mesmos ritmos.
Estamos longe de um grau de desenvolvimento que ao menos se equipare com as descrições, muitas vezes exacerbadas, além de inexplicáveis na ausência completa de textos ou documentação que as sustente, da realidade cotidiana da Atlântida, narrada como centro de uma sociedade intergaláctica.
Para não perder meu título de chato, coloquei estes pontos de vista para os meus pacientes amigos, que me escutam com uma tolerância rosacruciana enquanto meu entusiasmo provoca digressões que nos afastam por alguns minutos da leitura.
Acho pertinente, no entanto, evidenciar que esoteristas trabalham sobre crenças e não sobre fatos, na maioria de seus esforços de exegese e hermenêutica.
Cremos que estamos falando de fatos, quando na verdade discutimos relatos não comprovados.
Cremos nas afirmações que antigamente as coisas eram melhores e agora são ruins.
Cremos enfim que fomos melhores e que caímos de uma condição divina para uma condição demoníaca, que perdemos nossas asas, como disse textualmente Blavatsky no início de “Isis sem Véu”.
Nisso, entretanto, eu não creio. Porque se as coisas eram tão boas e maravilhosas estaríamos decerto além daquela fase, mais avançados, mais elaborados.
E não estamos.
A Criação continua a experimentar combinações em busca da manifestação humana mais equilibrada, mais estável, mais amadurecida.
Pureza não significa amadurecimento e de repente faltou-nos exatamente isto, maturidade espiritual para lidar com nosso momento dourado, talvez dourado apenas por causa de nossa inocência e inexperiência e não por causa de nosso avanço.
Avanço verdadeiro é aquele consolidado pela experimentação e aperfeiçoamento, do tipo que não se desfaz com a primeira, a segunda ou a terceira crise.
Civilização é algo muito delicado e sob constante ameaça. Se fomos, como narram as lendas, incapazes de sustentar o avanço que atingimos, não éramos tão avançados assim. E ingenuamente não sabíamos disso.
A diferença é que hoje temos plenamente consciência de nossos problemas, embora não saibamos como resolvê-los; mas se os resolvermos, será pelos nossos próprios meios, e não através de lamentações por paraísos perdidos, paraíso, aliás, em termos, já que estar nu e sem consciência de si mesmo é um verdadeiro inferno para qualquer ser que deseja a consciência, uma prisão psicológica sem grades, a prisão da ignorância.
O Anjo com a espada flamejante não nos expulsou; ele nos libertou em direção à aventura da existência.
Caminhamos para a saída do Éden como que caminha para fora de uma jaula. E não fomos libertos para cair.
Não houve queda nenhuma.
Apenas assumimos nosso papel, nossas vestes de carne, nossos personagens neste maravilhoso experimento de Maya, que nos garante exercício ético e psicológico e que nos permite amadurecer.
De forma que nunca mais cometamos o mesmo erro de nos julgarmos elevados e superiores por não conhecermos a nós mesmos.
A inocência não é e nunca foi uma virtude; ela é apenas o outro nome da Ignorância.
Nossa obrigação é transcende-la.
Por isso ainda estamos aqui.
Que meus amigos tenham paciência comigo. Meu único objetivo, como o de todos nós, é melhorar como ser humano.



[1] Quíchuas (também chamados Runakuna, Kichwas ou ingas) é a designação aplicada aos povos indígenas da America do Sul, que falam o quíchua, especialmente o quichua meridional. Distribuem-se pela região andina, especialmente no Peru, na Bolívia, Argentina e Chile. (wikipedia)
[2]  O termo Popol vuh, comumente traduzido do idioma quiché como “livro da comunidade”, é um registro documental da cultura maia, produzido no século XVI, e que tem como tema a concepção de criação do mundo deste povo. Popol é interpretado como “comunidade” ou “conselho”, e dá a ideia de algo de propriedade comum; e vuh ou wuj, em quiché moderno, significa “livro”. Como os maias eram divididos em diversas tribos, faz-se necessário saber que, embora boa parte do conto fosse aceito majoritariamente no território maia, existiam especificidades entre as tribos e regiões. (wikipedia)
[3] Gênesis 19:26