Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

quinta-feira, 18 de março de 2010

O PODER DE REALIZAR



por MARIO SALES, FRC,S.:I.:,M.:M.:


Antes de qualquer coisa, quero deixar claro o seguinte: o pensamento e a ação não estão separados.
Mentes fracas determinam atos imprecisos e falhos; mentes poderosas, atos grandiosos e realização soberba.
Esta equação deve estar no topo de nossas considerações quando, por qualquer motivo, nas nossas meditações, considerarmos de alguma maneira a imaginação uma coisa menos importante.
É verdade que a ação modifica a matéria e é preciso que nosso corpo intervenha no real para que o real se transforme. Só que sem que a nossa mente intervenha em nosso corpo, nosso corpo não se mexe.
Digamos que a mente é um general e tem uma tropa muito disciplinada, o corpo. Por mais estranhas e contraditórias que sejam suas ordens, o exército obedecerá sem pestanejar, mesmo que seja uma ordem que levará o exército à derrota e a auto-destruição.
Portanto, se não temos clareza de objetivos, clareza de intenções, motivação sincera no que fazemos, o corpo ficará confuso e sua intervenção no real será pífia.
E aqui eu gostaria de lembrar a importância da via cardíaca.
Não é no cérebro que nasce a vontade.
A vontade nasce no coração.
Toda vontade cerebral é falsa e não deve ser objeto de nossas considerações.
Já a vontade cardíaca, aquela que se costuma dizer, vem do fundo da alma, esta não precisa de estímulo, pois é arrebatadora por si mesma.
Por isso, pela condição prévia de ser sincera e íntima, toda vontade que vem do coração é específica, rara, ocorrendo apenas de tempos em tempos, ao contrário das vontades que vem da mente, estas sim, variadas, fugazes e numerosas.
Quando aplicamos a técnica rosacruz de Visualização Criativa, devemos partir do pressuposto que aquilo que desejemos materializar seja proveniente de nosso coração, não de nossa mente, de nossa cabeça.
Se queremos conforto e dignidade para nossos filhos, visualizaremos exatamente aquilo que precisamos nem mais nem menos, por que a via cardíaca é justa e perfeita enquanto a via cerebral é dada a exageros e fantasias.
Por que quando usamos o poder do coração para visualizar, trabalhamos com sentimentos e não com idéias. E se os pensamentos e as idéias são os generais das ações, os sentimentos são os marechais das idéias.
Posto isto, vemos que o Realizador só concretiza aquilo que sinceramente está determinado a fazer. Se ao resolver realizar alguma coisa, sentirmos que existe dificuldade na sua concretização, é melhor revisitar nosso interior e meditarmos sobre a sinceridade com que desejamos tal coisa.
Às vezes, o que o cérebro pede o coração sabe que não é correto e avisa, do seu jeito particular, de forma que um conflito criativo é instaurado e a realização não consegue se manifestar.


O Mago é um Realizador


Havia no passado um conjunto de técnicas de outros tempos para interferir no Real. Estas técnicas formam um arcabouço de uma cultura já extinta, mas da qual restou sua essência, que podemos usar hoje com tanta eficiência quanto outrora.
Os Rosacruzes são os herdeiros desta tecnologia e trata-se de uma tecnologia tão avançada que recebeu o adjetivo de magia.
Ora , os Rosacruzes, sendo Magos, sabem que Magia não existe.
Todas as coisas que nós Rosacruzes fazemos de peculiar são produto das técnicas que recebemos da tradição esotérica, uma habilidade tecnológica de uma cultura diferente mas ainda assim algo natural e não sobrenatural.
Na verdade, nenhum Rosacruz crê que exista algo “sobrenatural”.
Portanto, interferir na realidade com o poder de nossas mentes, amparadas e sustentadas por nosso coração é apenas uma técnica que todas as pessoas que desejarem aprender poderão fazê-lo, não sem algum esforço pessoal mas para isso necessitando apenas de tempo e dedicação, já que os materiais necessários para desenvolver este poder estão dentro de todos os seres humanos.

A única diferença entre os Rosacruzes e as pessoas que não são iniciadas pela Rosacruz, é que os Rosacruzes sabem que tem este poder de Realizar e o usam de forma sistemática, ao contrário daquele que não sabe que ele existe e , vez em quando , é surpreendido pelos fatos e não consegue explicar para si mesmo como teve força e determinação para fazer isto ou aquilo do jeito que fez, mas cita uma “ energia arrebatadora” que lhe deu a certeza que conseguiria e assim foi.
Eu chamo isto de Materialização Selvagem.
Os seres humanos são como seres primitivos com uma moderna espingarda nas mãos. Não sabem como usá-la nem para que serve, até que, acidentalmente, acham o gatilho e disparam o primeiro tiro. Imaginem o susto e o sem número de idéias fantasiosas que passarão pela cabeça daquele indivíduo, ainda atordoado pelo barulho do disparo.
Uma vez que descobre que o disparo pode ser reproduzido ele começa a disparar em todas as direções e, claro, em algum momento vai acertar em alguma coisa, que pode ser uma ave suculenta para o jantar da tribo.
Seu feito será decantado em prosa e verso, e ele conhecerá seus 15 minutos de glória. E depois?
Poderá reproduzir aquele evento?
Poderá usar aquele poder novamente?
Saberá, de forma detalhada, as causas que levaram aquelas ocorrências?
Não. Ele usou o poder, mas não pode reproduzir o evento, pois não conhece seus princípios, suas leis.
E é bom que não conheça, por que mentes primitivas podem devastar-se com poderes muito elaborados.
De forma que interferirá na realidade por outros meios, mais toscos, menos eficientes e com um retorno pífio. A vantagem de uma tecnologia seja ela qual for, é o fato de tornar a vida mais simples e mais fácil. Portanto, o Mago verdadeiro não tem restrições nem inibições no uso de suas técnicas peculiares no seu cotidiano.

A Magia como técnica de Realização

Foi para isso que ele estudou estas técnicas.
Se não forem usadas a exaustão a ponto de serem dominadas, todo o esforço empenhado na sua aquisição terá sido vão.
O Realizador só tem compromisso com sua Obra e com o Bem que ela produzirá ao maior número de pessoas e a si mesmo. Ele deve, aliás, usar todos os conhecimentos que possuir, tradicionais ou não, exotéricos ou esotéricos, na consumação de seus objetivos.
Estamos neste mundo para realizar milhares de retificações do plano original de Deus como forças divinas que somos em ação, já que o homem age no mundo por permissão e vontade do Altíssimo.
Aliás, o realizador que toma a si toda a responsabilidade é no mínimo um tolo.Como vimos acima, cavalgamos uma energia infinita e seria tolice não lançar mão desta mesma energia para a realização de nossos desejos e necessidades, mas não somos os criadores desta energia, apenas um dos muitos que a administram.
Como estudantes rosacruzes conhecemos a técnica da Visualização Criativa.
Agora, falaremos sobre a outra técnica de contato com esta energia infinita: a oração.
Se existe um meio aparentemente simples de acionar as forças divinas é pela invocação através da oração.
Toda oração é uma invocação.
E as energias começam a se movimentar a partir das primeiras palavras, das primeiras sílabas.
João já deu a chave em seu evangelho:
“No princípio era o verbo, e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus”.
Sim o verbo é Deus.
Deus está na palavra e é a palavra.
E esta palavra é a palavra que vem do coração.
Quando falamos com o coração, usamos um poder, manifestamos o Altíssimo.
Se oramos, principalmente quando oramos em voz alta,os anjos nos ouvem, Deus nos ouve e vem a nós.
Para que a oração se torne uma tecnologia é preciso que aperfeiçoemos a sua execução, primeiro orando com freqüência sem usar fórmulas prontas, depois procurando reservar um momento em nosso dia para este exercício de conexão.
Quem trilha muito o mesmo caminho passa por ele com mais facilidade e rapidez.
Quem tem o hábito da oração diária, sabe entrar em contato com o Todo Poderoso com rapidez e eficiência.
Desta forma, durante um empreendimento pessoal, saberemos como recorrer a interferência divina de forma eficiente e rápida, para que nosso objetivo seja alcançado em consonância com a vontade de Deus. Mais : nos acostumaremos a consultar o Altíssimo em íntima e constante conexão, para que nossos desejos e realizações não sejam mais do que os desejos e as realizações do Altíssimo através de nós.
Se e quando nossa união com Deus for perfeita, nada parecerá impossível nem difícil, e até a natureza de nossos pedidos mudará.
Se no início orávamos por coisas ou situações, após esta fusão através da oração perceberemos que a prece mais poderosa é pedir Deus, a Deus, ou melhor, pedir pela presença de Deus em nossas vidas ao próprio Deus.
Esta prece, se for atendida, será nossa maior realização como Magos e realizadores.
Finalmente seremos a manifestação viva do poder de realizar.