Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

segunda-feira, 29 de abril de 2013

A ESTRATÉGIA DO MAL

por Mario Sales

O Grande Irmão diz:
- Cuidado você está sendo observado!!! 
Anônimo
(comentário deixado no blog sobre o post "Pontes")

“O medo leva à raiva;
a raiva leva ao ódio;
o ódio leva ao sofrimento,
e o sofrimento leva ao Lado Negro da Força.”

Yoda.

Existem duas formas de se destruir uma pessoa ou uma instituição: a primeira é pelo ataque persistente contra seus ideais; a segunda forma é pelo elogio e pela adulação frequentes.
Bajular autoridades ou pessoas que aparentemente têm algum poder que respeitamos é uma forma de solapar suas forças e seu vigor, de tornar frágeis suas bases morais e seus valores primordiais. O elogiado, se não for um tolo envaidecido, sempre sente desconforto com o elogio; sabe que se ele for sincero, fortalece o Ego e estimula a Vaidade, o que não é espiritualmente desejável; e se for um elogio falso, mostra que o elogiador é alguém perigoso, dissimulado, que de alguma forma teme nossa dignidade e inveja a nobreza de espírito que supõe ver em nós, a tal que provavelmente, por temor, se pudesse a destruiria. O bajulador é um covarde portanto. Ele é subserviente, traiçoeiro, imprevisível, e deve ser mantido sob vigilância constante, pois se podemos ser atingidos a qualquer momento, com certeza o primeiro golpe virá daquele que mais nos elogia.
Temor, medo, esta é a chave. Tememos tudo que achamos grandioso, sejam coisas boas ou más. É um tipo de medo infantil, sem justificativa na vida adulta e só possível quando seu portador tem um grave problema de imaturidade.
Toda pessoa imatura tem medo de modo intenso e exagerado.
São visceralmente apavorados e por serem assim, estão sempre tensos, manifestando-se às vêzes de forma agressiva.
A mais importante estratégia do mal é fluir através do medo destas pessoas para se manifestar na sociedade.
Ele as usa como aríetes para derrubar os portões da dignidade e do equilíbrio.
Ele infiltra estes "Cavalos de Tróia" psicológicos em nossas comunidades, através dos elogios vazios, e aguarda que adormeçamos para nos atacar de modo traiçoeiro e terrível.
O Medo é a porta da raiva. E como lembrava Mestre Yoda na trilogia místico-mítica de Guerra nas Estrelas, “o medo leva à raiva; a raiva leva ao ódio; o ódio leva ao sofrimento, e o sofrimento leva ao Lado Negro da Força.”
O Medo é, portanto, a ponte para o Mal. Ele é a própria ponte pela qual o Mal passeia.
Por isso olho com muita tristeza e preocupado quando vejo que o mal se infiltrou entre os rosacruzes através do medo. Quando recebo comentários acovardados, amedrontados, intimidados, de pessoas que se dizem iniciados mas que na verdade são soldados do Lado Negro infiltrados em nossas fileiras, que são incapazes de ao menos assinarem um comentário e se identificarem, como pessoas normais, cujo próprio medo transpira pelos seus dedos assustados enquanto digitam seus textos mesquinhos, me entristeço profundamente.
Como, por Deus do céu, pudemos permitir, não que estas pessoas se tornassem membros de nossa Ordem, mas sim que se mantivessem dentro dela? Provavelmente porque não acompanhamos seu desenvolvimento, porque os deixamos ao Deus dará, sem verificar se seu desenvolvimento no conhecimento místico era compatível com o desenvolvimento do seu caráter, porque não cuidamos, em suma , como instituição de ensino que somos, da qualidade educacional e moral de nossos alunos.
Por comentários covardes e solertes como estes é que sabemos que pessoas assim podem até estar em dia com seus pagamentos mas jamais poderão ser chamados rosacruzes.
Falta-lhes o caráter do místico, sua coragem calma, sua integridade pessoal, sua maturidade espiritual.
Falta-lhes tudo, enfim, para que possa se dizer um iniciado. Mesmo assim ele terá um número de chave e recebe , provavelmente, monografias que não lê, ou se lê, não entende, e se não entende, não tem ninguém a quem perguntar sobre o que não entendeu. E assim, relaxa e continua com a sua farsa, a sua pretensão de achar-se membro da mais nobre Ordem esotérica da história da humanidade, quando na verdade, ele é apenas mais um a destruí-la aos poucos, com sua falta de iniciativa, sua covardia e seu medo que ele chama provavelmente de obediência.
Não pensa com sua própria cabeça.
Acha que está dentro de uma religião onde manda quem pode e obedece quem tem medo de quem pode.
Jamais contribuirá para a melhoria desta nobre Ordem pois ele mesmo não busca evolução alguma. Espera provavelmente que um líder iluminado venha lhe dizer como ser rosacruz, o que pensar e o que vestir.
E como ele não aparece, continua parado, aguardando, e debocha de todos que se esforçam para produzir conteúdo e reflexão. O movimento em si o horroriza.
Ele quer o estático. Ele é como a água que parada, apodrece.
É um irmão que merece nossa tolerância ou um indivíduo pernóstico e desagradável como tantos, que supõe saber algo que outros não sabem, e que não busca aprender mais por que acha que já sabe o suficiente?
Eu sempre digo que quem compreende não precisa tolerar o compreendido.
Mas comportamentos covardes são difíceis de compreender. Ou por outra, se compreendidos, entendemos que são a verdadeira estratégia do Mal.
Esta é uma Ordem de contrastes, como todas as Ordens são. Conheci rosacruzes cuja lembrança até hoje me causam um profundo orgulho de pertencer a AMORC.
E é por causa destas lembranças, destes homens e mulheres que permanecem comigo, em minha mente e em meu coração, que me preocupo muito quando encontro pessoas totalmente contrárias a estas dignas pessoas de meu passado e presente.
E penso comigo: é preciso ficar atento.
E acredito na fala da primeira iniciação de templo que diz: o som da voz de um iniciado rosacruz faz os demônios tremerem, no fundo dos abismos.
Este texto é o som da voz de um rosacruz.
Bruxos não devem ser provocados; não é seguro para quem o faz.