Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

terça-feira, 25 de junho de 2013

A CAMINHO DA MORADA


por Mario Sales, CRC,FRC,SI




Sigo na quinta feira, dia 27 de junho, para a Morada do Silêncio, em Curitiba, para o curso "Introdução a Cabala", baseado na tradução que fiz da edição da Revista Especial sobre o tema publicada pela Grande Loja de Língua Inglesa e que está disponível para download no site dos Estados Unidos.



A Morada do Silêncio é parte importante do patrimônio rosacruz. Construída na Administração de Frater Parucker, a Morada constitui um local de refúgio importante num "mundo em constante transformação". Seu silêncio, sua majestade imponente, seu aspecto de retiro isolado, propõe a quem lá esteja a sensação de realmente fazer parte de uma Ordem no sentido monástico.
Sanctum individual padrão no quarto da morada

Uma única vez pude desfrutar da paz e da tranquilidade da Morada do Silêncio como aluno de um curso, já que em todas as outras vezes que estive lá, as obrigações ligadas ao serviço rosacruz não me deram folga suficiente para descontrair de forma completa.


Foto da entrada do prédio da Morada feita pelo Frater Amadeu

Ser facilitador de um encontro implica a exposição de temas, o esclarecimento das dúvidas no corredor, durante o almoço, às vezes no próprio quarto. Os Rosacruzes, via de regra, são curiosos e inteligentes. Isto estimula a todos que tem contato com eles, sejam artesãos, sejam pessoas que não pertencem à Ordem e que encontram com rosacruzes em expedições ao Egito, aos países do Oriente Médio, ou nos Açores. 


Existe uma simpatia especial nos rosacruzes e frequentemente uma polidez nos gestos e nas palavras que é a sua marca registrada.
Existem exceções, é bem verdade, mas em um ambiente assim alegre e sereno, são encaradas mais com bom humor do que com desconforto.
A Morada, por ser o ambiente que é, dedicado a todos os rosacruzes e ao rosacrucianismo, amplia imensamente estas características dos rosacruzes descritas nestas linhas. Ela nos inspira a ter durante estes poucos dias de encontros para estudo ou para aprofundar a nossa sensibilidade espiritual, como 


Encontros de Recolhimento Interior (ERINs), muita mais senso de pertencimento à Rosacruz do que na nossa prática em corpos afiliados. A Morada é um lugar, embora simples, limpo e imponente. Ela nos faz sentir orgulho de nossa afiliação e nos fortalece nas nossas convicções místicas.
É um ambiente, sem sombra de dúvida, catalizador de valores positivos.

Sóror Celi e Frater Avelino, administradores atuais da Morada do Silêncio

A Ordem sempre recomenda que façamos do local de nosso sanctum no lar algo parecido, um ambiente reservado e protegido de práticas mundanas, para que sempre que nos aproximemos sejamos imediatamente envolvidos por um espírito mais elevado e por uma egrégora voltada a meditação e a comunhão com as hostes celestiais.


Sóror Vivian Tedardi, diretora do Museu Egípcio Rosacruz de Curitiba e responsável pelos cursos na Morada do Silêncio

Imaginem então um gigantesco sanctum, a semelhança de um castelo, aonde tudo convida a reflexão, a interiorização, enfim, a um espírito de comunhão com o Eterno dentro de nós.
Esta é a idéia que faço da Morada, é a sensação que ela me passa cada vez que a visito, em missão de serviço à Ordem, serviço sempre facilitado pela simpatia de seus administradores. Em minhas visitas contei com o apoio de Sóror Maria José, e nos últimos anos, com a simpatia do casal Avelino e Celi, frateres dedicados e de uma delicadeza com os hóspedes elogiada por todos.
É importante lembrar a simpatia de sóror Vivian Tedardi, responsável pelo Museu Egípcio Rosacruz e pelos Cursos na Morada, que com sua característica prestatividade dialoga com palestrantes e responsáveis de modo atencioso e fraterno.
A Morada é uma casa de paz e meditação, de estudo, de recolhimento. Talvez Frater Parucker não tenha pensado nisso, mas alguns anos atrás, quando ele se dispôs a construir uma Universidade da Ordem, poderia ao invés disto ter transformado a Morada na nossa Universidade, com uma agenda de cursos ininterruptos, em módulos, de forma que, ao mesmo tempo que teríamos um ambiente eminentemente rosacruciano para orar, vigiar e trabalhar, aumentaríamos em muito a movimentação dentro da nossa casa, do nosso refúgio, com evidente aumento do retorno tanto cultural como financeiro. Com um pequeno investimento em antenas e transmissão, poderíamos também estabelecer um Curso Online à Distância, para todo o país e países de língua portuguesa, a partir da Morada, sobre os temas que abordamos dentro da Morada.
Por ser em Curitiba, nem todos os irmãos do Nordeste e Norte podem ir aos cursos e a tese da construção de outras Moradas foi considerada inviável no momento pela GLP. A solução, sempre no espírito de ampliar o alcance e a acessibilidade dos cursos feitos na Morada, partindo do princípio que reflitam um ponto de vista oficial, seria transmiti-los, via internet, para todo território nacional e para o planeta, bastando que alguém ou um grupo de rosacruzes tenha um computador e uma conexão com a rede mundial de computadores.
São idéias para o futuro da Morada, para este século XXI que ora iniciamos, que nos oferece recursos tecnológicos antes inexistentes e que deliciariam uma pessoa que hoje já não está conosco, mas que, pelo que sabemos de seu entusiasmo de divulgação do trabalho rosacruz, nosso fundador neste ciclo de atividades, Frater Spencer Lewis.