Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

UMA ESTRANHA NOÇÃO DE DEUS

Por Mario Sales, FRC.:,S.:I.:,M.:M.:





“... Todas as coisas – móveis e inertes – estão aqui completamente, num só lugar. 8. Mas não Me podes ver com teus olhos atuais. Por isso, Eu te dou olhos divinos. Observa Minha opulência mística! 9. Sañjaya disse; Ó rei, tendo falado essas palavras, o Supremo Senhor de todo o poder místico, a Personalidade de Deus, mostrou a Arjuna a forma universal. 10-11. Arjuna viu naquela forma universal bocas ilimitadas, olhos ilimitados e maravilhosas visões ilimitadas. A forma estava decorada com muitos ornamentos celestiais e portava em riste muitas armas divinas. Ele usava guirlandas e roupas celestiais, e muitas essências divinas untavam o Seu corpo. Tudo era maravilhoso, brilhante, ilimitado e não parava de expandir-se. 12. Se centenas de milhares de sóis nascessem ao mesmo tempo no céu, talvez seu resplendor pudesse assemelhar-se à refulgência dessa forma universal da Pessoa Suprema. 13. Nesse momento, Arjuna pôde ver na forma universal do Senhor as expansões ilimitadas do Universo situadas em um só lugar, embora tenham sofrido muitos e muitos milhares de divisões. 14. Então, perplexo e atônito, com os pêlos arrepiados, Arjuna inclinou a cabeça para oferecer reverências e, de mãos postas, começou a orar ao Senhor Supremo.”     
Bhagavad Gita, cap.11, vers. 7 a 14

Este ensaio é o produto de reflexões que já duram alguns anos.

Em 2007, alguns frateres de um antigo corpo afiliado do bairro de Itaquera, na cidade de São Paulo, chamaram a mim e a outro frater e sóror para realizarmos um seminário intitulado “Conhece-te a ti mesmo". Cada um de nós deveria dar uma visão do que entendíamos como o Ser Humano em nossas áreas.
Assim, como eu sou Médico, fiquei com a responsabilidade de falar sobre o Ser Humano do ponto de vista biológico. A sóror que participou comigo, Psicóloga, falou sobre aspectos da mente humana. E o terceiro frater, de formação espiritualista, falou do homem como um fenômeno espiritual. A quarta palestra deste maravilhoso esforço, na época subestimado, intitulada “A Visão Mística”, ficou sob meu encargo, na tentativa de fazer uma síntese das outras três.
Lembro-me que foi neste trabalho a primeira vez que me veio à mente o conceito de Consciência Cósmica como algo semelhante à Internet. Embora eu seja médico por profissão, já dei aulas e me sinto extremamente envolvido com a função de educação. E como tal estou sempre em busca de um modelo didático que facilite ao meu interlocutor a compreensão do conceito que emito durante uma conversação. Este modelo da Consciência Cósmica foi por isso um presente para mim. Primeiro, porque é uma imagem compreensível em nosso momento histórico. A Rede Universal de Computadores tornou-se, pouco a pouco um fenômeno internacional e cotidiano. Pessoas que nada tem a ver com Informática, inevitavelmente são obrigadas a lidar com este tipo de manifestação tecnológica. Segundo porque os conceitos presentes na chamada definição ortodoxa da Divindade serão facilmente reconhecíveis na Internet. Só ontem, no entanto, me lembrei de uma imagem maravilhosa da edição do Bhagavad Gita publicado pela ISKON, a Associação Internacional para a Consciência de Krishna.Tudo estava na minha frente, mas eu não tinha enxergado.Diz o trecho do capítulo XI que transcrevi acima:
“... Arjuna viu naquela forma universal bocas ilimitadas, olhos ilimitados e maravilhosas visões ilimitadas. A forma estava decorada com muitos ornamentos celestiais e portava em riste muitas armas divinas. Ele usava guirlandas e roupas celestiais, e muitas essências divinas untavam o Seu corpo. Tudo era maravilhoso, brilhante, ilimitado e não parava de expandir-se...”

Concluí que Deus é a Humanidade no seu conjunto. “... Bocas ilimitadas, olhos ilimitados... tudo era ilimitado e não parava de expandir-se”;onipresente, onisciente, e para nós que formamos esta rede de conexões, inconsciente, dado o risco de colapso nervoso ao se perceber tal complexidade com uma psique ou um disco rígido tão limitado.


Transcrevo o trabalho da mesma forma que foi apresentado em fevereiro de 2007 porque não sei como fazê-lo de modo mais claro.

SEMINÁRIO “CONHECE-TE A TI MESMO”


PRONAOS ROSACRUZ ITAQUERA

1° SEMESTRE DE 2007


ÚLTIMA PALESTRA

A VISÃO MÍSTICA



1. O homem não místico entende que Deus surge como criação da mente do homem

2. O místico sabe que o espírito, a mente e o corpo do homem são criações de Deus

3. O ateu, ou melhor, o ser sem sensibilidade mística, pensa o mundo e, quando o percebe, usa para isso seus sentidos físicos limitados, os quais mostram uma pálida idéia do que o cerca. Além da percepção física, que traz as informações de fora, o homem comum percebe também suas emoções, que lhe trazem as informações de dentro, com isso fechando o leque de possibilidades perceptivas.

4. São, portanto seres diferentes, que percebem universos diferentes e não há possibilidade de diálogo entre visões tão distintas
5. Didaticamente falando, o homem comum é como um computador não conectado a Internet enquanto o Místico é como um computador conectado.
O homem comum está só com seus pensamentos e depende inteiramente das coisas que possui em sua memória e em seu disco rígido.

Já o Místico não está só.Divide pensamentos e imagens com todos aqueles que estejam conectado através da Mãe de todas as redes .
Não está restrito ao seu próprio cabedal, mas, enquanto simples terminal, exibe o resultado de pesquisas feitas em toda a face da Terra .Sabe que a autoria de todo o conhecimento que ele transmite ao seu usuário não é sua, mas, mesmo assim, tem acesso a este conhecimento através da rede.

6. Por que algumas pessoas têm esta conexão estabelecida com a Rede Cósmica e outras não?
7. Trata-se da diferença de desenvolvimento da sensibilidade transpessoal.
Quanto a isto vamos fazer algumas considerações.
7.1. Quem busca uma boa conexão com a Internet?
Primeiro: quem tem um bom computador, capaz de um desempenho digno da rede;
Segundo: quem sabe da existência da rede;
Terceiro: quem tem condições de manter esta conexão (seja financeira ou intelectualmente).
7.2. Em termos místicos, quem busca esta conexão com Deus, ou com a Consciência Cósmica ou Rede Cósmica, como queiram?
Primeiro: quem tem um mente clara, capaz de perceber com clareza as inspirações que vem da Mente Cósmica
Segundo: quem sabe da existência da Mente Cósmica, ou Deus.
Terceiro: quem tem condições de manter esta conexão, (física e espiritualmente).
7.3. O que deduzimos desta imagem?Que é preciso chegar a determinado nível de sensibilidade intelectual e físico (saber usar um computador e ter acesso a um computador) para começar a ambicionar uma conexão rápida com a Rede, a Internet. Da mesma maneira, é preciso já certo nível de sensibilidade espiritual e física (saber que a Mente cósmica existe, ter uma mente clara capaz de entrar em contato com esta Mente Cósmica e um corpo em bom estado psiquiátrico e neurológico) para desejar-se esta conexão rápida com a Mente Cósmica.
8. Para explicar por que uns sabem e outros não da existência desta Mente Cósmica precisamos recorrer à noção da Reencarnação.
9. Só a reencarnação explica a diferenciação entre os diversos tipos de pessoas que, desta forma, podem ser explicadas por maior ou menor antiguidade espiritual.
10. Corpo, personalidade-alma, (como chamam os rosacruzes ou espírito como chamam outras correntes), e mente, devem estar aptas a manter esta conexão desde que a pessoa conheça sua existência e queira entrar de maneira produtiva em contato com ela.
11. Sim, porque pode-se ter contatos não muito produtivos. Não é preciso falar inglês para ir a Internet, mas é bom terem-se noções da língua e se falarmos e compreendermos a língua mãe da rede aproveitaremos muito mais os diversos sites que podemos visitar com duas opções de língua: a nossa e o inglês. Da mesma forma não é preciso ser uma pessoa intelectualizada para entrar em contato com Deus, mas seria bom que a pessoa tivesse algum grau de discernimento e algum vocabulário para descrever mais ricamente as inúmeras imagens que o todo poderoso do seu jeito peculiar desaba sobre as nossas cabeças. O Sistema Nervoso humano é limitado e se, ainda for pouco desenvolvido intelectualmente, gerará ao ter contato com a Fonte de Todo o Conhecimento relatos e descrições demasiado simbólicas e confusas complicando o que, em si, já é complicado.
12. Portanto, como para o contato com a Internet precisamos ter algum preparo, para o contato com a Mente Cósmica também. Recomenda-se que problemas de origem pessoal, vicissitudes da vida já estejam resolvidos ou que sejam administráveis para que não perturbem a relação entre o homem e a mente.
13. Para que o computador funcione bem toda a sua maquinaria (hardware) deve estar íntegra. Para o contato com Deus é recomendável que o corpo e principalmente o cérebro e a mente sejam saudáveis, da mesma maneira. Gostaria aqui de ressalvar que a parte mais importante de nossa existência é sem sombra de dúvida a nossa Lucidez, sendo que limitações físicas podem ser superadas com inteligência e sensibilidade enquanto que problemas de natureza neurológica ou psiquiátrica inviabilizam qualquer desempenho socialmente útil.
Para que a conexão seja boa com a Internet, os programas (navegadores) que rodam no computador (software) devem ser atualizados e eficientes. Da mesma maneira a mente do indivíduo que entra em contato com Deus deve estar em bom estado psicológico, equilibrada e tranqüila. Emoções pesadas como raiva, ódio, inveja, são como vírus de computador que destroem a qualidade do programa original. Além disto, é interessada que a mente seja sempre renovada com informações e habilidades que potencializem nossa capacidade de tradução das informações que chegarão a nossa mente.
Finalmente, nosso acesso à linha telefônica ou sem fio deve ser de boa qualidade. Da mesma maneira, o acesso do indivíduo espiritualizado deve ser fundamentado em métodos seguros e de boa qualidade para não prejudicar este contato.
14. Quero explorar este ultimo comentário, a qualidade do acesso. Todos concordam comigo que, para se ter um bom acesso, precisamos de um bom provedor, alguém que tenha cacife para receber várias conexões com a Internet sem redução de velocidade ou qualidade de conexão. Da mesma maneira muitas pessoas no mundo conectam-se com Deus através de técnicas que vem da sua Religião ou formação esotérica e espera-se que estas técnicas e orientações permitam este contato sem redução da qualidade ou interferência na comunicação.
Bons provedores são tão importantes quanto uma boa máquina e bons programas de conexão.

ESQUEMA 1

Que adianta, portanto, que eu seja uma pessoa saudável física e mentalmente, satisfatoriamente equilibrada do ponto de vista emocional, e possuidor de alguma cultura, e venha a cair nas mãos de alguma organização de reputação duvidosa, que de várias maneiras interfira na minha conexão com a Mente Cósmica?Portanto, se eu for a Internet, é bom que eu vá armado de bom senso e discernimento, para não abrir qualquer programa e para não acreditar em todo e-mail que eu receba, ou em tudo que é publicado; e se eu for conversar com Deus, é bom que use uma comunicação de alto nível para que a baixa qualidade de conexão não me leve a receber como verdadeiras mensagens deturpadas, mal intencionadas, truncadas que, somadas a minha ingenuidade, podem se transformar em adulterações grosseiras da mensagem original ou mesmo na contaminação maléfica de toda a minha espiritualidade, da mesma maneira que um vírus de computador só consegue entrar em computadores mal protegidos ou operados por usuários despreparados.

ESQUEMA 2

Técnicas para melhorar a Conexão com a Mente Cósmica

15. Falei que precisamos de recursos para entrar em contato com a mente cósmica tanto quanto com a Internet. E isto é verdade. Vimos também que antes de buscar recursos para o contato, eu já tenho que saber da existência da rede , saber o que é um navegador, saber manipular um teclado ou o mouse , e que esse conhecimento não se aprende do dia para a noite, assim como não apenas CRER, mas SABER da existência da Consciência Cósmica, de forma a ter esta Consciência Cósmica ,não como uma filosofia de vida ,mas como uma realidade que pode ser contatada, não é um conhecimento de domínio público.Alguns sabem que Deus é real.Outros não. Pouca coisa pode ser feita quanto a isto. Justifiquei a diferença entre as pessoas que tem ou não tem este conhecimento pela antiguidade espiritual de cada uma, o que depende do número de encarnações que estas pessoas têm em sua bagagem.
16. Pois bem, mesmo quando já temos este conhecimento, nossa evolução não pára, POIS A EVOLUÇÃO É CONTÍNUA E ININTERRUPTA. Aquilo que já sabemos sempre poderá ser aperfeiçoado e ampliado desde que nos esforcemos para isto e continuemos trabalhando sempre.
17. Desta forma, aquele que já sabe que Deus está dentro de si mesmo, mas que ainda não tem uma fusão , uma Yoga perfeita com o Ser Supremo, dedicará duas , talvez três encarnações a aperfeiçoar este contato através das mais variadas maneiras.
18. A meditação é uma das formas mais conhecidas e aí começa uma pequena e ao mesmo tempo grande confusão. O real significado da palavra meditação. Meditar, para o místico indiano, o yogue, não é pensar. Para o místico Rosacruz, a palavra é usada de modo pouco claro e dúbio: ora no sentido indiano de mente vazia, ora no sentido ocidental de mente cheia de pensamentos sobre os quais tecemos considerações, ou seja, sobre os quais meditamos. Vou me ater ao primeiro sentido, o sentido indiano, Yogue, de mente aparentemente vazia (veremos mais à frente porque aparentemente). Para esclarecer isto eu me permito transcrever um trecho de um trabalho meu antigo sobre o fluxo do pensamento e o real significado da palavra meditação.



O FLUXO DE PENSAMENTO

Vamos de novo para o exemplo do rio. Por sua natureza o curso d’água corre sempre para frente em busca do mar.
Uma pedra e ele a contorna. Uma valeta e ele a supera, sempre em frente.
Então, vem o homem e suas usinas hidroelétricas. Constrói primeiramente uma enorme barragem.
Depois, regulam a saída de água deste lago artificial, formado pela barragem, de forma a que ele flua pelas comportas que ele deseja e na quantidade que ele permita , movimentando mais ou menos intensamente uma, duas, três turbinas, de acordo com a necessidade.
O PENSAMENTO É COMO UM RIO. Ele flui, incessantemente, em direção a consciência cósmica. Este fluxo constante sofre a barragem dos condicionamentos mentais, as tais paredes do corredor citado acima, que nos moldam a personalidade e que nos ensinam a como regular a intensidade do nosso fluxo de idéias e como encadeá-lo da maneira mais útil, de acordo com nossas necessidades.


NATURAL X ARTIFICIAL


O rio, entretanto, é diferente da usina.

Livre, ele obedece apenas aos ditames do clima. Mais chuvas, mais caudaloso ele se torna, menos chuvas, menos intenso é seu fluxo. A água que faz o rio é a mesma água dos oceanos , que evapora, transforma-se em nuvens, cai sobre as montanhas e volta a ser rio, que volta a correr para o mar para de novo evaporar e reiniciar o ciclo.
A represa não é assim.
Ela retém, retém, e retém a água enquanto for necessário. A quantidade que é liberada depende da demanda de energia elétrica e não de ciclos naturais.

A represa não é natural. Ela é artificial. Dialoga com a natureza, mas não é natureza.
Os condicionamentos também são uma represa artificial do fluxo do pensamento. Funcionam de maneira semelhante, porque entendem que o fluxo do pensamento deve ser contido para ser aproveitado. Para usar o pensamento, o homem resolveu torná-lo mais lento, mais controlado, pois o fluxo livre de idéias não lhe parecia aceitável como fonte de informação.
Foi através desta desaceleração do fluxo das imagens que o homem criou a linguagem, e depois a lógica, base da nossa cultura e ciência.
No entanto, não se pode tirar o fluxo de um rio e ainda chamá-lo de rio, como não se pode chamar de fogo a chama sem o seu calor.
São qualidades inerentes a estas coisas que lhe dão um senso de identidade.
Assim, ao represar o fluxo das idéias para tentar compreendê-las melhor, o homem destruiu a sua natureza mais sublime transformando-o em um conjunto intelectual artificial, mecânico, seqüencial, quase estático, em vez de rico em movimento e pleno de variedade.
O rio foi feito para ser rio. O fluxo do pensamento, no meu entender, foi feito para ser fluxo.
Interromper ou limitar a velocidade deste fluxo só impede que o aproveitemos em toda a sua plenitude.
Pois, ao contrário do rio , represar o pensamento não é fonte de energia, mas de desgaste, de tensão. Os condicionamentos mentais, portanto, são, muitas vezes, fontes de ansiedade.
É preciso perder o medo de abrir as comportas e deixar o rio fluir livremente, com toda a energia que lhe é peculiar.
Esta seria a cura para a ansiedade.

A Meditação

A liberação deste fluxo chama-se meditação.
Imagine que seus pensamentos são como cavalos selvagens que estão presos em um curral. Inquietos, tensos, vêem a sua frente toda a pradaria que lhes chama a cavalgar, mas não podem atender o chamado porque a porteira do curral está fechada.
Imagine então que você abra a porteira deste curral: o que aconteceria? Todos os cavalos, provavelmente, sairiam em desembestada carreira, comemorando a liberdade desejada. Não existiria mais tensão.
Assim é o ato de meditar.
Abrimos a porteira da mente, e deixamos que os pensamentos fluam livremente. Alguns falam em esvaziar a mente. Bobagem. Quando meditamos, a mente fica plena de pensamentos, num fluxo tão intenso que deixam de ser intelectualizáveis, discerníveis, perdem sua clareza, mas não deixam de nos invadir e nos oferecer sua presença e influência.
Imediatamente, nossa tensão desaparece, pois o fluxo está livre.
Há outra imagem que me agrada em relação ao processo meditativo. Imagino que exista cano transparente por dentro da minha cabeça, de um lado até o outro. E que meus olhos sejam virados para dentro. Na verdade, para que isso aconteça, basta fechar os olhos. Meditar é contemplar o fluxo das imagens por dentro deste cano. Elas nos atravessam em velocidade infinita, vindas do Todo e retornando ao Todo, deixando-nos, entretanto, impregnados pela sua passagem, como a chuva que quando cai nos encharca de água, água que fica em nós ainda durante certo tempo, depois que a chuva se vai.
Meditar é mergulhar num oceano de consciência, como queria Rajneesh. Sempre que isto acontece, nos encharcamos de Deus e de sua Magnífica Presença, e assim permanecemos por um bom tempo, mesmo depois que saímos do estado meditativo.
A água nos refresca. Meditar nos vivifica e restaura.
Infundidos que somos com este por este sopro divino, manifestamos uma capacidade de percepção ampliada horas após o episódio ter-se encerrado.
Meditar com freqüência nos faz estar em contato com o Deus Interior regularmente e com o manancial universal de sabedoria, o que só nos enriquece mental e fisicamente.
Dancemos, sem medo, na chuva de inspiração que é meditar.

Que estas abençoadas gotas nos encharquem até os ossos, todos os dias de nossa vida.
19. Meditar, da forma como foi descrito, exige alguma prática, habilidade que é desenvolvida com o tempo e a experiência. Não se consegue fazer uma boa meditação sem exercitar a técnica durante anos. E aos poucos vamos conseguindo um estado mais límpido de comunhão com estados mais altos de consciência e percepção da mesma forma que o rosacruz com seus exercícios de refinamento mental e elevação da consciência. Prática, prática, prática, sem lamentações, desanimo, ou hesitações.

20. Mal comparando, aos poucos vamos fazendo o upgrade de nosso Hardware e de nossos Softwares, melhorando nosso desempenho místico ao melhorar nosso desempenho meditativo. Melhor qualidade de conexão, maior velocidade, e assim, nem sempre nos damos conta de tudo que recebemos nestes poucos momentos em que a mente entra neste manancial e volta repleta de fatos, imagens , inspirações.Não ;é uma coisa fácil. O Buda precisou de cinco anos embaixo da sua árvore santa para atingir o êxtase. E Ele era o Buda. Pensem em nós, pobres estudantes.

21. Portanto, mesmo que o computador seja bom, precisamos de tempo para dominar a informática. Mesmo que a mente e o corpo estejam bem, precisamos de estudo e preparação para penetrar com lucro na conexão com o Ser Maior. E aqui quero fazer um alerta: a simplicidade, tão alardeada como sinônimo de evolução deve ser vista como uma armadilha de imagem. O Cristo parecia simples, mas, convenhamos, um espírito daquele porte era e é altamente complexo. Quando se fala em ser como as crianças, falamos em estar em um estado em que estejamos despidos de preconceitos os quais adquirimos pela educação materialista que recebemos em nosso mundo. Tenho certeza de que não se queria dizer ser ingênuos e inocentes como crianças, mas sim puros de coração o que não impede uma mente altamente elaborada e um intelecto altamente refinado. Devemos para de cultuar a ignorância como um estado perto da Sabedoria. A Ignorância é o que é: Ignorância, com todos os perigos e problemas que isto costuma trazer. Ser simples é ser refinado o suficiente para parecer simples aos olhos menos elaborados. O rosacruz sabe disso. O homem comum e alguns religiosos, não. Por isso vemos a apologia entre alguns homens de fé da renúncia as posses e do martírio do corpo como um caminho para a Luz Espiritual. A Luz Espiritual não é bloqueada pela matéria. A Luz revela a matéria em perspectivas mais amplas do que aquelas que os olhos da carne conseguem perceber. Miséria não coaduna com progresso espiritual. Os Yogues mais nobres olham com tristeza e pena aqueles que escolhem o caminho do Sadhu, desfazendo-se de tudo relacionado a vida mundana de forma a assim encontrar Deus.

Precisamos do corpo como o mergulhador de profundidade precisa do escafandro e nenhum mergulhador seria louco de destruir seu escafandro quando a 6000 metros de profundidade.
E o que é a encarnação no plano material senão nada mais, nada menos, do que um mergulho do espírito na carne, e, diga-se de passagem, um mergulho voluntário, desejado?

22. Desaprender o que aprendemos de errado acerca daquilo que nos cerca é mais difícil do que aprender alguma coisa nova. Nós estamos todos repletos de idéias pré-concebidas e errôneas acerca do que é o Real, da nossa condição do Universo, do quanto somos limitados, que nos são repetidos como reforço positivo, no convívio social mundano diariamente, fora as imagens e maldições bíblicas que as religiões jogaram sobre nós de forma sistemática nos últimos séculos.
23.Precisamos ir além disto, ir além dos preconceitos, além das falsas limitações. Precisamos sonhar de maneira clara e vívida e para isso vamos precisar de um corpo e de uma mente sadios, tanto quanto de uma personalidade alma de boa qualidade; precisamos acreditar no sonho, sem ingenuidade, sem simplicidade de espírito, no sentido ruim da expressão, mas por que chegamos a um determinado grau de complexidade no qual finalmente compreendemos o imenso poder que recebemos e que por incompetência, deixamos escorrer por entre os dedos. E este poder é o Poder de criar o mundo que quisermos, desde que adequadamente guiados pela Mente Cósmica, fonte de todo o conhecimento e inteligência, das quais somos apenas meros terminais de recepção.
24.Para que isto aconteça, não é suficiente apenas uma alma devidamente voltada para este encontro, mas também um sistema nervoso em estado satisfatório, para dar suporte físico à uma mente poderosa em realização, não isolada , mas conectada e serva do Poder Supremo.


Suzano, 28/02/2007


Mario Sales FRC,75939 PM