Multi pertransibunt et augebitur scientia (Muitos passarão, e o conhecimento aumentará).

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

CONVERSANDO COM JULIO


por Mario Sales, FRC.:, Gr.:18 - C.:R.:+C.:, S.:I.:(membro do CFD) 




"...nossas explicações morrem com a gente."


Luis Fernando Verissimo, 3 de janeiro de 2013, no seu primeiro artigo depois de longa internação por complicações de uma gripe, no jornal O Estado de São Paulo.


Julio deixou um novo comentário sobre a sua postagem "MATÉRIA ESCURA":

Prezado Irmão,
Sobre assinar o nome, acredito que a maioria (me incluo) possui certo "medo" em expor sua opinião, seja por falta de bagagem, por medo de falar besteira, por medo de represália ou por medo de tomar uma advertência da GLP (essa última sempre me preocupa).
Sobre questionar: Acredito que as ordens esotéricas com o passar do tempo evoluíram tanto o seu sistema de estudo e informação, que dá a entender que não é mais necessário questionar. Vejo irmãos e irmãs estudando com afinco lotes e lotes de monografias, mas quando questionados, simplesmente aceitam aquilo como verdade ou não buscam por fora outros assuntos sobre o tema.
Ainda, já fui advertido por outros frateres por questionar pontos que não eram do meu grau (pior resposta que um rosacruz pode dar a outro rosacruz sincero e buscador), já fui advertido por questionar sobre o tema AMORC x Gary e por fim já fui advertido por questionar demais sobre as alterações nas monografias (sistema antigo x novo) tanto da AMORC quanto da TOM.
Sobre pesquisar: Acredito que a grande maioria das pessoas não pesquisa sobre o que estuda, não leem os livros da própria ordem, não faz anotações sobre os mesmos.
Tenho lido constantemente seu blog, mas prefiro não comentar muito, pois nesses apenas dois anos de Ordem já tomei muita bordoada. No entanto, as pessoas se esquecem que hoje todos temos autonomia e acesso a informação. Estudei muito Esoterismo e Ocultismo durante três anos antes de entrar na AMORC. Já são cinco anos de estudo... não sou mais um novato no assunto. Porém, quando vou conversar com um Frater que está a 9 ou 10 anos na Ordem recebo um tratamento diferenciado por ter só 2 anos de ordem.
Shakespeare disse: Ser ou não ser, eis a questão. Mas em inglês, essa frase fica: To be or not to be. E todos sabemos que o verbo To Be é = ser ou estar.
Portanto, a reflexão que deixo é: Somos rosacruzes ou estamos na rosacruz? Somos maçons ou estamos na maçonaria? Somos martinistas ou estamos na TOM?
Enquanto não vivermos aquilo que estudamos, apenas estaremos dentro das colunas sendo profanos de aventais, enquanto isso há muitos pedreiros e rosacruzes na sociedade que nem ao menos sabem que essas ordens existem.
Meus sinceros votos de paz profunda.
Postado por JuLio no blog IMAGINÁRIO DO MARIO em 3 de janeiro de 2013 12:56

Julio, obrigado por seu comentário. É sempre revigorante saber que existem pessoas do outro lado da tela. Em parte suas colocações me alegram e me entristecem. Digo que me alegram porque confirmam uma coisa que eu tenho discutido no blog e embora voce sozinho não possa ser considerado estatisticamente significativo no universo de milhares de estudantes rosacruzes e martinistas, eu tenho testemunhado as mesmas coisas que voce, por isso, fico feliz de saber que a sensação de que não estou delirando ao dizer "que a maioria 
(dos frateres e sorores) (me incluo) possui certo "medo" em expor sua opinião, seja por falta de bagagem, por medo de falar besteira, por medo de represália ou por medo de tomar uma advertência da GLP (essa última sempre me preocupa)". 
Veja só a que ponto chegamos. Eu sou do tempo, frater Julio, em que não haviam perguntas sem resposta, em que não havia receio de "falar besteira", já que estávamos todos em ambiente fraterno e triste, muito triste é que em nome de manter a autoridade, perca-se a noção de fraternidade.
Fico triste por isso, mas lamento que tais episódios tenham ocorrido com voce. AMORC é muito mais do que uma ou outra pessoa, e por favor, não julgue toda a plantação por uma única fruta, ou mesmo por uma árvore inteira.
Não há, em todo o Universo, em nenhum lugar, homogeneidade na forma, só no conteúdo.
Portanto, dentro de uma mesma Ordem voce vai encontrar um número enorme de pessoas com os mais variados tipos de crenças e visões de mundo. Agora, raciocine como o administrador deste grande mercado de místicos, todos falando ao mesmo tempo de seus produtos, todos querendo vender seu peixe, e , ressalte-se, todos defendendo que seu peixe, sua fruta, é a mais fresca e saudável do lugar. Complicado não? Ser um estudante rosacruz é relativamente fácil, basta ficar em casa e ler monografias e livros. Não há a obrigatoriedade de frequentar os corpos afiliados como na maçonaria ou na TOM na atividade templária. Existe um modelo de oratório na TOM, mas ir até o templo e participar de um conventículo é sempre uma experiência enriquecedora.
Portanto, ser um estudante de sanctum da rosacruz AMORC é simples. Difícil é assumir responsabilidades com a AMORC, tornar-se um oficial templário ou administrativo, cuidar dos pequenos detalhes cotidianos da manutenção do capítulo ou loja, assumir uma monitoria ou a condição de Grande Conselheiro. Voce passa a ser o administrador do mercado, o síndico, o sujeito a quem todo mundo vai reclamar que o ar condicionado está pifado ou que o ambiente de trabalho está sujo, ou mesmo que o seu vizinho de barraca disse alguma coisa que não lhe pareceu correta.
São dois os tipos de pessoas: os que lavam os pratos e os que reclamam que eles estão sujos.



Para participar de maneira ativa de AMORC é preciso ser do tipo que lava pratos, que varre chão, que tira o excesso da vela, sem que ninguém peça.
A ORDEM é nossa, nós somos seus donos, a Rosacruz é o que os rosacruzes são. É como voce lembrou muito bem, alguns são rosacruzes e outros estão rosacruzes. Para quem é rosacruz e não está rosacruz não existem duas rosacruzes, a minha e a dos outros que eu não gosto.
Voce é um neófito na Ordem? Não importa, voce é membro da fraternidade e portanto tem direito a perguntar sim o que quiser do mesmo modo que as pessoas não tem nenhuma obrigação de responder, embora devessem fazê-lo, já que às vêzes, elas não sabem como responder.
E da mesma maneira que voce tem direito de ter respostas, tem o dever de ir a busca dessas respostas. Se um frater for descortês com voce, procure outro. Se não estiver satisfeito, mande uma carta para a Grande Loja, ou procure ler algum texto da internet sobre o assunto. Não vão faltar fontes, confiáveis e não confiáveis para pesquisar o que voce quer saber. Seja teimoso, persistente e crítico. Use seu próprio discernimento e analise as coisas que voce ler. Não aceite a explicação porque vem de um irmão mais antigo na Ordem, isto não é sinônimo de sabedoria. Use sua sensibilidade, deixe que seu coração guie suas análises junto com seu cérebro. Deixe o Mestre Interior guiar voce.
Este é o segredo.
E principalmente, liberte-se de seu próprio medo. É ele que o desanima, que o entristece e que levanta barreiras inexistentes. A Ordem não está pronta, ela está em construção, e esta obra é produto da colaboração de milhares de rosacruzes em todo o mundo, como voce, neófitos ou não, do 2°, 3° ou 12° graus. Todos são chamados para o trabalho, todos são importantes.
Tudo vai correr bem? Com certeza não.
Todos viverão em harmonia? Muito menos, lembre-se, são seres humanos, como eu e como voce.
Voce testemunhará equívocos, injustiças, manifestações de vaidade pessoal, às vezes até decisões administrativas estúpidas, mas este é o preço de viver em sociedade, de participar de um grupo de seres humanos, isto se chama viver.
Do mesmo modo, em ambiente rosacruciano, voce terá chance de encontrar pessoas diferenciadas e especiais, como em qualquer lugar da sociedade que voce frequente.
Pessoas extremamente lúcidas, generosas, afáveis no trato, humildes e de bom coração. Eles são muitos, graças a Deus. Grude neles, peça-lhes informações sobre textos. Se for a pessoa certa ela terá enorme prazer em dividir com voce aquilo que ela descobriu porque a característica dos verdadeiros iniciados não é ocultar mas revelar o que está oculto.
Tudo o que um iniciado quer é transmitir adiante a Tradição que ele preserva e guarda com carinho, já que o conhecimento não é nosso, não vem de nós, mas flui por nós, vindo do Altíssimo e indo para todos os seres da raça humana.
Voce me parece uma pessoa curiosa e interessada. Isso já é um excelente começo. Mas notei que está inibido com os problemas que encontrou.
Ouça-me com atenção: supere essa inibição e vá em frente, com coragem e determinação. Construa seu próprio arcabouço pessoal de informações, monte a sua biblioteca, converse com quem, como voce, gosta de conversar, e envelheça, pouco a pouco, como os bons vinhos, como todos os seres humanos envelhecem.
Não se preocupe. Com tempo e persistência voce será também um erudito em assuntos esotéricos, mas veja bem o que voce faz com este conhecimento que vai adquirir.
Use-o sempre com sabedoria, passe-o a frente, se encontrar alguém que lembre voce quando estava começando na senda e tenha por ele o mesmo carinho que eu tenho por voce, não como alguém que sabe mais, mas como alguém mais velho nesta estrada. Aliás vou contar um segredo. Nem eu nem ninguém sabe nada que voce também não saiba.
Já li muita coisa, textos lindos, vi e vejo em meus livros maravilhosos símbolos herméticos, cheios de detalhes. São esteticamente preciosos.
Descobri, no entanto, que todos estes textos, todos estes símbolos, dizem a mesma coisa. E esta coisa é: olhe para dentro de voce, escute a voz de seu coração, e todos os segredos lhe serão revelados.
Este é o grande segredo. Não são as pessoas a nossa volta que nos ensinam algo de novo. É o mestre dentro de nós, este ponto de contato com a Fonte de Todas as Coisas. É aí que voce deve se concentrar.
O resto é o resto.
Grande abraço e paz profunda.